Governador do Amapá se reúne com vítimas de escalpelamento

Foto: Márcia do Carmo. 
O governador do Amapá, Camilo Capiberibe, acompanhado da primeira-dama do Estado, Cláudia Camargo Capiberibe, do senador João Alberto Capiberibe e da deputada federal Janete Capiberibe, recebeu nesta quinta-feira, 23, na Residência Oficial, oito membros da Associação de Vítimas de Escalpelamento do Amapá. O objetivo do encontro foi ouvir a opinião das mulheres escalpeladas sobre as ações governamentais em prol de sua categoria.

Um dos temas da reunião foi o Termo de Cooperação Técnica, que será assinado nesta sexta-feira, 24, entre Governo do Amapá e Defensoria Geral da União (DPU). A parceira entre Estado e governo Federal possibilitará a realização do I Mutirão de Avaliação Médica das Vítimas de Escalpelamento, que acontecerá neste sábado, 25, no Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), de 8h às 18h, em Macapá.

Segundo o governador, o termo irá formalizar o compromisso entre governo estadual e federal para enfrentamento ao escalpelamento.

O governador ressaltou que o Amapá é uma referência no enfrentamento do “Escalpelamento”, acidente fluvial recorrente nos rios da Amazônia. Camilo Capiberibe enfatizou que o combate ao sinistro deve-se a iniciativa da deputada federal Janete Capiberibe (PSB/AP), autora da Lei Federal 11.970/2009, que vigora desde julho de 2010, em todo território brasileiro, que consiste em ações de prevenção contra este tipo de desastre e melhoria da qualidade de vida das vítimas.

Foto: Márcia do Carmo. 

De acordo com a presidente da Associação das Vítimas de Escalpelamento, Rosinete Rodrigues Serrão, a avaliação que será feita por especialistas de fora do Estado é aguardada pelas mulheres que sofreram os traumas do acidente fluvial há muitos anos.

“Esperamos com ansiedade por essas cirurgias reparadoras há anos. Isso mostra o compromisso do governador Camilo Capiberibe com as vítimas de escalpelamento. As plásticas resgatarão a nossa dignidade, pois é triste olhar no espelho e ver as marcas do desastre”, expôs Rosinete Serrão.

Após a conversa, o governador e demais presentes no encontro almoçaram com as representantes da classe.

O escalpelamento

O escalpelamento de mulheres, crianças, adultos e jovens ocorre há cerca de 60 anos nos rios da Amazônia. O acidente ocorre quando as vítimas, ao se aproximarem do motor da embarcação, têm seus cabelos violentamente puxados pelo eixo. A rotação ininterrupta do motor, ao enrolar os cabelos em torno do eixo, arranca todo ou parte do escalpo da vítima, inclusive orelhas, sobrancelhas e, por vezes, uma enorme parte da pele do rosto e pescoço, levando as deformações graves e até a morte.

Elton Tavares
Assessor de comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *