Governo do Amapá apresenta pontos turísticos amapaenses para visitantes da Comissão Mista

As riquezas naturais, a história e a cultura do Amapá encantaram os participantes da 13ª Comissão Mista Transfronteiriça Brasil-França. Após debaterem e alinharem por dois dias, os avanços para a fronteira de ambos os lados, o grupo fez um tour na quinta-feira, 13, pelos principais pontos turísticos do estado, percorrendo desde a Fortaleza de São José, às margens no rio Amazonas, a comunidade quilombola do Curiaú.

São mais de 60 visitantes, que têm a oportunidade de conhecer a rica cultura do estado, as belezas naturais que rodeiam a cidade, o artesanato e a culinária única que está no centro da gastronomia brasileira.

“No Dia Nacional do Turismo, o Governo do Amapá fortalece a relação da França com o Brasil. Nós sediamos a 13ª reunião da Comissão Transfronteiriça e o Governo organizou um city tour, conduzido pelo guia de turismo, Sandro Borges, que está fazendo a apresentação dos nossos produtos e atrativos turísticos do estado do Amapá”, detalhou a secretária de Estado do Turismo, Syntia Lamarão.

O primeiro ponto visitado foi a Fortaleza de São José de Macapá, com sua potência e vasta riqueza cultural e histórica. Quem entrou no lugar, pela primeira vez, não escondeu a admiração.

“Não tínhamos noção que era assim. A cidade é impressionante, porque tem muitas coisas para fazer aqui. Dá para ver que tem um potencial de desenvolvimento muito grande, tem monumentos históricos como esse, tem a natureza ao redor, o rio Amazonas, que é famoso no mundo inteiro. Esse monumento é muito grande e conservado, com uma ótima preservação da história”, comentou o representante do Ministério das Relações Exteriores de Paris, Bertrand Lacour.

Diante do vasto acervo do Museu Sacaca, que também fez parte do roteiro, com sua exuberância, em plena área urbana da cidade, o funcionário público do Instituto Nacional da Fundação Pública da Guiana, Jean-Michel Tu, afirmou que fez muitas descobertas e experiências únicas.

“Cheguei para o trabalho aqui, há dois dias, sendo muito bem recebido e vivi bons momentos. É realmente uma cultura que eu não conhecia e vi muitas coisas, pela primeira vez, no Amapá. E estou ansioso por poder descobrir outras partes turísticas, a culinária e as danças, que são muito agradáveis”, frisou o turista.

O diretor do Museu Sacaca, André Abdon, destacou que receber os visitantes é uma maneira de expandir a cultura, através de um lugar tão rico em história.

“Aqui há um retrato do nosso povo, da nossa gente, da vida das pessoas da floresta, contatada a céu aberto. Esse é um ambiente maravilhoso da nossa Amazônia e do povo, representado em todas as suas instâncias, incluindo as questões indígenas, que são representadas nas etnias e nas casas, aqui no nosso espaço”, enfatizou Abdon.

O monumento do Marco Zero, na Zona Sul da capital, também esteve na lista de visitação dos turistas. A ida ao ponto que marca o lugar por onde passa a Linha do Equador e divide o planeta em dois hemisférios, gerou uma brincadeira muito conhecida e que é uma das curiosidades do local: colocar um ovo em pé, em cima da estrutura do monumento. A distração atraiu os visitantes, que fizeram questão de fazer o teste, chamando a atenção de quem esteve no local pela primeira vez, como a conselheira da Prefeitura da Guiana, Cabassud Isabelle.

“Eu achei essa visita extraordinária. Para mim, é algo realmente magnífico estar no ponto de partida, no marco zero da linha do Equador. Realmente não imaginei que um dia, na vida, eu viria aqui e sou muito grata por essa oportunidade. No Museu tinha tanto artesanato, que pensei em comprar vários, mas infelizmente a gente não pode levar tudo. A Fortaleza de São José de Macapá, com arquitetura de Vauban, que é um arquiteto francês. Eu venho de Bretanha, de Brest, local onde temos muitas fortalezas construídas por Vauban, e para mim é algo muito forte. Obrigada, Amapá”, celebrou a visitante.

Texto: Cristiane Nascimento
Foto: Aog Rocha
Secretaria de Estado da Comunicação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *