Governo do Amapá celebra Dia Estadual do Marabaixo com debate entre gerações e shows de grupos tradicionais

O Governo do Amapá promove neste domingo, 16, Dia Estadual do Marabaixo, uma programação educacional e festiva para celebrar a data em homenagem à mais autêntica e representativa manifestação cultural do estado.

O evento, coordenado pela Fundação Estadual de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Feppir-Fundação Marabaixo), em conjunto com a Secretaria de Estado da Cultura (Secult), terá início às 8h, com um café da manhã e logo após, debate entre gerações sobre a história do Marabaixo, no Centro de Cultura Negra Raimundinha Ramos, no bairro do Laguinho.

A tarde a celebração continua com shows dos grupos tradicionais em uma grande roda de Marabaixo, com rufar dos tambores e os bailados das saias floridas, das 17h às 21h, em frente à Casa do Artesão, às margens do Rio Amazonas, na Orla de Macapá.

A comemoração pelo Dia Estadual do Marabaixo, iniciou na sexta-feira, 14, com uma sessão solene na Assembleia Legislativa do Amapá (Alap) onde foram homenageadas personalidades da cultura afro-amapaense.

“É uma data comemorativa, onde se exalta não só um legado cultural, mas também a luta, a resistência de nossos antepassados, para manter viva essa tradição. Marabaixo não é só festa, é também um grito de resistência do povo negro amapaense”, ressalta a diretora-presidente da Fundação Marabaixo, Josilana Santos.

A data

O Dia Estadual do Marabaixo foi criado através da Lei Estadual 1521/2010, de autoria do saudoso deputado estadual Dalto Martins. É um reconhecimento oficial à manifestação cultural, marcada pelo culto ao Divino Espírito Santo e à Santíssima Trindade.

A tradição é um legado de pioneiros e pioneiras que deram a vida para que a tradição não acabasse. Em 2018, o Marabaixo recebeu o título de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, concedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Iphan.

A cultura do Marabaixo é conhecida pelos seus elementos, como as caixas, os ladrões (versos), as roupas (saias rodadas e blusas floridas), a gengibirra (bebida ritual) e pela culinária (cozidão, porco guisado, entre outras iguarias. Destacam-se também os rituais, como o corte, subida e derrubada dos mastros, corte e cortejo da murta, ladainhas, dentre outros.

Ciclo do Marabaixo

Com uma programação que segue o calendário da Igreja Católica, o Ciclo do Marabaixo inicia no Sábado de Aleluia e segue até o chamado “Domingo do Senhor”, após a celebração de Corpus Christi. É realizado por seis associações culturais, nas áreas urbana e rural de Macapá.

A tradição recebe o apoio do Governo do Amapá. Este ano, o Ciclo do Marabaixo 2024 recebeu investimento de R$ 1,4 milhão. Pelo segundo ano consecutivo, também realizou a Central do Marabaixo, espaço onde amapaenses e turistas conhecem melhor a cultura marabaixeira e centenária do estado.

Texto: Gabriel Penha
Foto: Gabriel Penha/GEA
Secretaria de Estado da Comunicação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *