Greve global pelo clima reúne jovens na Fortaleza de São José, em Macapá

Cerca de 30 pessoas aderiram às manifestações pelo clima, no Amapá — Foto: Caio Coutinho/G1

Por Caio Coutinho

Protagonizada pela juventude e entidades em defesa da preservação do planeta, uma manifestação contra o aquecimento global ocorreu na tarde desta sexta-feira (20) na Fortaleza de São José de Macapá. A ação contou com a participação de quase 30 pessoas.

Uma faixa de 6 metros foi estendida em forma de protesto contra a emissão de gás carbônico, queimadas da Amazônia e utilização de combustíveis fósseis. A ação está alinhada com a greve global pelo clima, que promove atos em mais de 150 países ao redor do globo.

Karen Góes, organizadora da greve pelo clima em Macapá — Foto: Caio Coutinho/G1

De acordo com a estudante e organizadora, Karen Góes, de 20 anos, a ação está aderindo ao movimento global “Fridays for Future” (Sextas-feiras Pelo Futuro, em inglês), liderado por Greta Thunberg, ativista sueca que denuncia a falta de mobilização dos governos para solucionar o aquecimento global.

“Viemos para a Fortaleza para chamar a atenção da população quanto aos problemas ambientais. Nossas pautas buscam chamar os governantes para que eles tomem medidas efetivas para evitar o aumento da temperatura no planeta”, reivindica.

Thaís Herrero cobra atitudes dos governantes ao redor do mundo — Foto: Caio Coutinho/G1

As pautas do movimento cobram a solução do desmatamento da Amazônia e que os governos parem de investir em fontes fósseis, como a exploração de petróleo na costa do Amapá, que, segundo a jornalista Thaís Herrero, de 32 anos, pode afetar as comunidades da região.

“O movimento reúne pessoas que apoiam medidas que solucionam o aquecimento. O fato do Amapá participar, com um grupo de jovens à frente do movimento, mostra que temos uma organização para cobrar as entidades públicas quanto ao problema”, detalha.

Origem dos atos

A greve pelo clima tem origem no “Fridays For Future”, que ganhou repercussão com a adolescente sueca de 16 anos Greta Thunberg.

Desde 2018, Greta falta às aulas nas sextas-feiras para protestar pelo clima. A iniciativa rendeu a indicação ao Prêmio Nobel da Paz e fez com que diversas outras greves se espalhassem pelo mundo.

Segundo especialistas, 2020 é visto como o ano chave no combate ao aquecimento global, para que governantes tomem medidas para manter o aumento das temperaturas médias globais abaixo de 1,5ºC até o final deste século, e as emissões de dióxido de carbono (CO2) reduzidas em 45% até 2030.

Fonte: G1 Amapá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *