Guilhermo Ochoa: o goleiro mexicano que parou o Brasil (meu texto sobre o amargo empate de ontem)


Como li em outra crônica: “Ninguém, mas ninguém mesmo, entra em um campo de futebol com mais possibilidades de ser herói ou vilão, de representar tanto o bem quanto o mal como os goleiros”.

Ontem (17), Guilhermo Ochoa, goleiro mexicano de 28 anos, 1,83 de altura e cabeleira estilo David Luiz, parou o ataque da Seleção Brasileira. 

Eu disse ao meu primo Pedro Junior antes do jogo: esse goleiro é bom pra caramba. Não deu outra, o cara pegou tudo e saiu de campo como o mais novo herói mexicano. Defesaça do filho da puta! Foi o que pensei na hora. 

No primeiro tempo, o elástico Ochoa pegou uma letal cabeçada de Neymar. No segundo tempo, com o corpo rente a trave, defendeu uma chicotada do Neymar, de dentro da área, quando o atacante brasileiro matou no peito, riscou o marcador e meteu a canhota. Sim, o Neymar jogou muito. 

Já no final do jogo, à queima-roupa, pegou uma cabeçada forte de Tiago Silva, após  Neymar cobrar o escanteio. Égua-moleque-tu-é-doido do goleiro! 

Revelado no América (MEX), e ex-jogador do Ajaccio (FRA), Ochoa está em sua terceira Copa do Mundo. Em 2006, na Alemanha, tinha apenas 20 anos quando foi convocado para ser terceiro goleiro. Em 2010, já aclamado como melhor goleiro do país, perdeu a vaga para o veterano Oscar Pérez na África do Sul. 

O México já disputou duas partidas na Copa do Mundo e o arqueiro ainda não tomou nenhum gol. Li em alguns sites que, após a atuação contra o Brasil, onde ele não deixou passar nem mosquito, Ochoa foi sondado por grandes clubes, como Arsenal e Liverpool. Atualmente, o defensor mexicano está desempregado, já que o Ajaccio caiu para a segunda divisão francesa. 

Vale ressaltar: a Seleção Brasileira jogou bem. Muito mais no segundo que no primeiro tempo do jogo. Não faltou iniciativa ao Brasil. Já o México foi retranqueiro e violento. Quem jogou mesmo do time adversário foi o goleiro. O Brasil teve tudo pra vencer, mas a bola não entrou. Faltou combinar com o Ochoa. E foi o que ocorreu.

Agora é exorcizar a falta de gols, curar a ressaca do empate e comer os Camarões na próxima segunda-feira. Bora, Brasil!

Elton Tavares
Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*