Há dois anos, morreu Rubin Carter, o “Hurricane” (furacão), símbolo de liberdade.

b1fee9f488f8072489aec69d78548cb9
O Furacão

 

Há exatam20140420175411450088iente dois anos, em Toronto (Canadá), morreu o ex-boxeador Rubin Carter, o ”Hurricane”(Furacão). Ele tinha 76 anos e lutava contra um câncer de próstata. O cara foi um símbolo de liberdade. Em junho de 1966, ele era um forte candidato ao título mundial de boxe, mas foi preso no mesmo ano, acusado de assassinato em primeiro grau de três pessoas brancas.

not-guilty-rubin-hurricane-carter-signed-24x36-photo-w-bob-dylan-5-t2375915-500
Bob Dylan visita Furação na prisão.

Quando as três pessoas foram assassinadas num bar em Nova Jersey (EUA), Hurricane passou, de carro, próximo ao local do crime. Carter foi erroneamente preso como um dos assassinos e condenado à prisão perpétua, por motivação racista: os jurados eram brancos. Anos mais tarde, o Furacão publicou um livro chamado “The 16th round”, em que conta todo o caso.

A obra inspirou um adolescente do Brooklyn e três ativistas canadenses a juntarem forças com Rubin para lutar por sua inocência.

Ele foi declarado inocente e libertado em 1985. A Associação de Defesa das Vítimas de Erros Judiciais (AIDWYC), da qual “Hurricane” Carter foi diretor executivo de 1993 a 2005, afirmou em seu comunicado sobre o falecimento do Furacão: “Descansa em paz Rubin, teu combate terminou, mas nunca será esquecido”.

Cinema

Depois defilme ler a autobiografia publicada enquanto Carter ainda estava preso, Bob Dylan escreveu em 1975 a canção “Hurricane” sobre a vida de Carter, que virou um símbolo da injustiça. Bob Dylan foi processado pela Patty Valentine, por ter usado seu nome na música.

A história também inspirou um filme do diretor Norman Jewison, “Hurricane: O Furacão” (1999), com a atuação brilhante de Denzel Washington como Rubin Carter, rendeu ao astro 10250297_629432040482860_830680679335953935_ndo cinema o Globo de Ouro de melhor ator e uma indicação ao Oscar.

Além do filme e canção, a história rendeu alguns livros.

Hurricane foi campeão mesmo não disputando o cinturão. Ele lutou contra algo muito mais poderoso, que assola não só seu país, mas o mundo. O racismo está presente sempre e são caras como Rubin Carter que nocauteiam tais idiotices. É, o Furacão foi um grande cara. É isso.

Fontes: Estadão, UOL e minha cachola.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *