Hemoap precisa de 80 bolsas de sangue ‘O positivo’ para o feriadão de carnaval

Hemoap Macapá aguarda por 80 bolsas de sangue do tipo mais comum (Foto: Mirian Machado/G1)

Por Jorge Abreu

A campanha de arrecadação de sangue foi intensificada no Instituto de Hematologia e Hemoterapia do Amapá (Hemoap). Para o período de feriado do carnaval, o órgão espera arrecadar cerca de 80 bolsas de sangue do tipo “O positivo”, que é o mais comum.

Também são esperadas pelo menos duas bolsas de “AB negativo”, considerado o mais raro. Doadores cadastrados e entidades parceiras estão sendo convidados a colaborar com o recrutamento de mais voluntários.

De acordo com o diretor do Hemoap, Sávio Guerreiro, as duas semanas que antecedem o carnaval é de força-tarefa. Ele destaca que o Ministério da Saúde determina o estoque de segurança para eventualidades de não coletar sangue durante o período de oito dias de folias.

Diretor do Hemoap, Sávio Guerreiro (Foto: Jorge Abreu/G1)

“Desde já estamos convocando os doadores para melhorar nosso estoque. Em dezembro tivemos uma queda drástica no quantitativo e a gente ficou no vermelho, abaixo do que é recomendado pelo Ministério da Saúde”, disse.

A preocupação é com a demanda de hospitais durante o feriadão. Para o diretor do Hemoap, eventos relacionados a carnaval reúnem grandes públicos, o que aumentam os riscos de acidentes e registros policiais.

Outro ponto é no consumo de bebida alcoólica, que compromete a habilitação de doadores. Sávio Guerreiro ressalta que dos 20 mil candidatos a doadores de sangue, cerca de 14 mil conseguiram efetuar a colaboração em 2017. Os demais estavam fora dos critérios.

O voluntariado sem direcionar a alguém é a doação mais segura, segundo o diretor. Os tipos sanguíneos com maior necessidade no Hemoap são “O+”, que é o mais comum, e o “O-” por ser a tipagem considerada universal com relação à compatibilidade.

As doações podem ser feitas de segunda-feira a sexta-feira, das 7h30 às 12h, no Hemoap, localizado na Avenida Raimundo Álvares da Costa, esquina com a Rua Jovino Dinoá, no Centro de Macapá. O doador precisa levar documento de identificação com foto.

O Ministério da Saúde estabelece que, para ser um doador, o voluntário precisa ter idade mínima de 16 anos e máxima de 69 anos, pesar no mínimo 50 quilos, não ter ingerido bebida alcoólica no dia anterior e não ter doenças sanguíneas.

O doador passará por triagens clínicas e sanguíneas. Ele precisa estar alimentado para evitar passar mal durante o processo. A coleta dura em torno de 20 minutos.

Fonte: G1 Amapá

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *