Hoje é o dia do Estagiário (minha homenagem aos acadêmicos que correm atrás de seus sonhos)

Hoje, 18, é o Dia do Estagiário. A celebração é em homenagem ao jovem trabalhador que ingressa no mercado de trabalho e coloca em prática tudo o que aprende em sala de aula. Foi por meio de um decreto em 1982, que a data foi instituída.

Eu, nos tempos de estagiário.

Por experiência própria, sei que não é fácil cumprir dupla jornada (às vezes, tripla). Fui estagiário na TV Amapá e no Portal Amazônia e comprovei que estudar e trabalhar é dureza mesmo. Cumprir com as atividades acadêmicas e o trampo do estágio requer responsabilidade, compromisso e muita força de vontade.

Também trabalhei com muitos estagiários no TRE/AP e no MP-AP. Sempre tento ter uma relação de amizade sem frescura com eles – com as cobranças normais que o trabalho exige, mas com momentos de descontração. Só não consegui umas duas vezes, mas nem vale a pena contar.

Com Halanna Sanches e Vanessa Albino, estagiárias de jornalismo do MP-AP e queridas colegas de trampo.

Bacana que consegui me tornar amigo da maioria deles. Em nome das estagiárias e colegas de trampo, jornalistas Halanna Sanches e Vanessa Albino, rendo homenagens a todos os estagiários.

Ser estagiário de jornalismo é…( já passei por isso, com algumas exceções, claro):

Pegar umas pautas bem ordinárias e achar isso o máximo.

Assinar uma matéria de dez linhas e achar isso o máximo do máximo.

Ouvir, sempre que pintar uma roubada na redação, alguém dizer: “Pede pro estagiário”.

Concluir que o início é difícil; mas ter também a certeza de que, com o tempo, a coisa piora.

Ter pique total, topar qualquer parada.

Viver à procura de um estágio melhor. Para abandonar a merda do estágio atual.

Sonhar (dormindo e acordado) com uma efetivação.

Fazer tudo o que um repórter experiente faz, mas ganhar como estagiário.

Ser culpado pelas cagadas que saem no jornal. Até que se prove o contrário.

Sofrer bullying, tipo ser comparado às crianças do lixão da novela pelo Duda Rangel.

Colocar a mão no queixo e se perguntar: “Porra, jornalismo então é isso?”

Fazer uma reportagem duca e exclamar: “Porra, jornalismo é isso!”

Descobrir que a prática é muito melhor do que as aulinhas chatas da faculdade.

Desejar que a bolsa-auxílio seja uma bolsa Prada ou uma Louis Vuitton. Legítimas.

Fonte: Desilusões Perdidas.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *