Hoje é o Dia do Repórter Fotográfico (Meus parabéns aos amigos)

Repórteres fotográficos com quem trabalhei ou cobri alguma pauta ao longo dos anos.

Por Jussara de Barros, graduada em Pedagogia e integra a equipe Brasil Escola.

Hoje, 02 de setembro, é o Dia do Repórter Fotográfico, o profissional registra imagens de fatos e acontecimentos, no momento em que os mesmos acontecem. A história da fotografia surgiu através do físico francês Joseph Nicéphore Niépce, em 1816, por meio da “transformação de compostos químicos sob a ação da luz”. É fundamental para o jornalismo, pois serve para complementar a ideia do texto, bem como comprovar a veracidade dos fatos.

Ao longo dos anos, a fotojornalismo tornou-se um estilo de trabalho que se baseia no uso das imagens fotográficas para se veicular às notícias. O surgimento dessa área se deu através do britânico Roger Fenton, que fotografou a Guerra de Crimeia, no período de 1853 a 1856.Mas a primeira publicação de uma imagem em um veículo de comunicação aconteceu em 1880, através do jornal Daily Herald, de Nova Iorque, com a finalidade de inovar seu estilo de publicação, buscando chamar mais a atenção dos leitores.

No trampo com o muito querido Sal Lima, em 2019.

Porém, a genialidade da ideia somente se tornou popular com a chegada do século XX, sendo possível devido à invenção da primeira máquina fotográfica portátil, a Kodak, que podia ser facilmente carregada por todos os lados. As primeiras máquinas fotografavam em preto e branco. Mais adiante, o homem inventou o filme, que possibilitava a revelação em cores, chegando aos modelos da atualidade, os digitais, que capturam as imagens através da memorização das mesmas.

Um estilo jornalístico que tem chamado grande atenção do público nos últimos anos são os paparazzi (no singular, paparazzo).Os mesmos fotografam celebridades do cinema e da televisão, expondo suas imagens em momentos mais descontraídos ou comprometedores. Essas matérias são alvo das revistas de fofoca, pois atingem grande sucesso nas vendas das mesmas. A ideia desse trabalho fotográfico foi proposto no filme de Frederico Fellini, La Dolce Vita (1960), que teve o nome do fotógrafo Signore Paparazzo baseado no nome de um mosquito siciliano “paparaceo”. A atuação do fotógrafo era de Walter Santesso, que trabalhava com Marcello Mastroiani, interpretando o jornalista Marcello Rubini.

No trampo com a muito querida Márcia do Carmo, em 2019.

Mas independente da forma de atuação do repórter fotográfico, seu trabalho é muito importante para a população, pois registra os fatos como eles realmente acontecem, trazendo-nos a possibilidade de tomar conhecimento dos mesmos.

Meu comentário: é por meio das lentes desse profissional que conseguimos ver o que acontece em nossa cidade, país e mundo. Eu particularmente, me encanto com uma bela foto, seja artística ou jornalística. Já trabalhei com muitos fotógrafos, a maioria deles muito bons e uma minoria nem tanto. Admiro muitos pelo talento, outros pelo profissionalismo e, sobretudo, os que possuem as duas virtudes. Portanto, meus parabéns a estes profissionais, que são fundamentais para o jornalismo.

Esta postagem é dedicada aos amigos com quem já trabalhei, todos repórteres fotográficos de primeira linha: Sal Lima, Márcia do Carmo, Max Renê, Jorge Junior, Aog Rocha, Ewerton França, Edivaldo Chaves (Didi), Chico Terra, Cleito Souza, Gê Paulla, Rui Brandão e Antônio Sena (in memorian). E também os parceiros, que vira e mexe, quebram o galho de conseguir fotos, como o Márcio Pinheiro, Gabriel Penha, Rosivaldo Nascimento, Lee Amil, Kallebe Amil, Maurício Gasparini, Bernadeth Farias, Jorge Júnior, Fabiano Menezes, Kitt Nascimento e Maksuel Martins. E, ainda, os acadêmicos de jornalismo, nossos fotógrafos da equipe Secom TJAP, os queridos Sérgio Silva e Flávio Lacerda. Em nome deles, parabenizo todos os que atuam neste nobre ofício no Amapá e Brasil.

Com o saudoso Antônio Sena, o “Paparazzi”, em 2011

Como disse o amigo Fernando Canto: “parabéns ao olhos que miram o mundo com crítica e estética”. É isso!

A fotografia, cujos progressos são imensos e que está, a nosso ver, muito bem classificada entre os materiais das artes liberais, fala aos olhos e detém cativa os curiosos fatigados” – Eça de Queirós.

Elton Tavares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *