Hoje é o Dia Internacional contra a LGBTfobia – Preconceito não! #contralgbtfobia

Hoje é o Dia Internacional contra a LGBTfobia. A data foi escolhida para lembrar a exclusão da Homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 17 de maio de 1990, oficialmente declarada em 1992. Isso mesmo, ser lésbica, gay, bissexual, travesti, transsexual e transgênero, era sinônimo de enfermidade. Um despautério sem tamanho.

O Supremo Tribunal Federal (STF) já decidiu que LGBTfobia é crime. “Acolher o pedido da comunidade LGBT é cumprir o compromisso da Justiça que é o de dar a cada um aquilo que é seu. E assim o fazendo, o STF estará cumprindo o sacerdócio da magistratura”, afirmou o ministro Luiz Fux, que preside o STF.

Por exemplo, muita gente “se choca” ao ver um beijo gay numa praça, shopping ou qualquer espaço público. E ainda dizem que isso “não é normal, que deveriam ter respeito”. É, a questão é respeito mesmo. Respeito pela vida alheia e por direitos iguais de fazer o que todos fazem e em qualquer lugar.

Digo mais, LGBTfobia é ‘’coisa de veado’’, loucura pura. É muito mais que burrice, é falta de caráter. Ser Lgbtfóbico é ser otário, pois tal linha de pensamento é de uma miséria espiritual e canalhice tremenda.

Tenho poucos preconceitos na vida; como a aporrinhação para que eu siga uma determinada religião ou com música que acho ruim (boa para quem as curte).

Tenho orgulho de ter muitos amigos do jeito que são, sejam eles de qualquer orientação sexual. São pessoas íntegras, inteligentes e talentosas, que pagam suas contas e contribuem para o bem da sociedade. A maioria delas é gente fina demais.

Vivemos em tempos onde o esclarecimento sobre o assunto é voraz, mas “Apesar de termos feito tudo, tudo, tudo o que fizemos, nós ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais”. Ou pelo menos a maioria com mente preconceituosa. Portanto, parem de frescura e abram suas cabeças.

Se duas pessoas do mesmo sexo se gostam, se amam ou só resolvem transar, a vida delas É DELAS. Relações não podem ser classificadas, somos todos seres humanos, cada um em busca de sua felicidade, das várias formas que ela se apresenta a cada um.

O respeito à diferença e à diversidade é a chave de tudo. E se isso for um problema para alguém, este sim é o doente. É isso!

Elton Tavares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *