Hoje: Festival Internacional de Cinema em Macapá

14333746_1055725714495895_1438079968360640949_n

Dia 24 de setembro, sábado, a partir das 18h30, o Clube de Cinema participa de mais um circuito cineclubista, em parceria com o Festival Internacional de Cinema de Realizadoras (FINCAR).

O evento teve sua primeira edição em julho de 2016 em Recife (PE). Com foco de gênero na realização, o festival propõe uma investigação do processo criativo audiovisual feito por mulheres.

No intuito de descentralizar a exibição de filmes, a equipe do festival optou por estender o acesso de seus filmes selecionados para cineclubes de todo o Brasil, por entender essas iniciativas enquanto espaços de resistência artística e política. Sendo assim, a parceria também é uma forma de valorizar a existências dos mesmos.

A seleção que será exibida no Clube de Cinema é composta por curtas e médias-metragens brasileiros e estrangeiros, todos dirigidos por mulheres e foram incluídos no circuito através da escolha no ato de inscrição dos filmes no festival pelas próprias realizadoras.

O intuito da mostra é fomentar o debate em torno do cinema e a mulher que observa e é observada.

Confira a programação:

The Acadian Girl (Dir. Gabrielle Provost/ 6″/ Canadá)

Na tradicional queima de fogos de verão em Montreal crianças andam ao redor da festa na esperança de vender uma carga de algodão doce.

La International (Dir. Tatiana Mazú/ 13″/ Argentina)

Eu filmei a minha irmã discutindo com a minha mãe enquanto elas preparavam a ceia de natal. Eu a filmei em um campo de trabalhadores, em um piquete, cantando. Eu percebi, assistindo uma VHS, que eu estava filmando ela desde que nós éramos crianças. Aparentemente, de acordo com alguns versos da Internacional, o socialismo deveria ser algo como um paraíso de irmãos e irmãs.

Do portão para fora (Dir. Letícia Bina/16″40/ Brasil)

Jaqueline reestabelece a vida no lugar onde ela cresceu. Em menos de um anos após ter deixado a prisão, tornou-se mãe pela segunda vez e hoje compartilha o seu tempo entre o trabalho e as tarefas do lar.

Besieged Bread (Dir. Soudade Kaadan/ 11″45/ Síria)

Síria, 2015. Um longo dia de contrabando de pães para a área sitiada. Uma árvore é o seu único abrigo. Ele foge deixando tudo para trás; Ambos sabem que não existe escapatória.

Catatumbari (Dir. Oriana Contreras/ 6″57/ Venezuela)

Um dia na vida de Roque e Braulio. Enquanto Roque, um pescador que vive no Lago Maracibo ouve em um rádio antigo que o raio Catatumbo está prestes a desaparecer ele decide deixar o seu trabalho de lado e embarcar com o seu filho em uma viagem de barco onde passeia por paisagens naturais e chega a testemunhar onde brilhou a luz dos seus ancestrais pela última vez, a mesma luz que conecta-os com as suas próprias origens e com o mundo no qual vivem.

Quem matou Eloah? (Dir. Lívia Perez/ 24″/ Brasil)

Uma análise crítica da espetacularização da violência e da abordagem televisiva em casos de violência contra a mulher, revelando uma das razões pelas quais o Brasil é o quinto país com o maior número de assassinato de mulheres no mundo.

Halahaches (Dir. Alejandra Jaramillo/ 14″21/ Chile)

Baseado nas tradições da tribo Selk’nam, “Halahaches” conta a história de Telkoy, um adolescente inseguro e medroso que se prepara para os seus ritos de passagem na Terra do Fogo. Ele descobre que para tornar-se um homem, deve escolher entre seguir as crenças da sua tribo ou arriscar a sua vida para proteger a sua amiga Haikenna.

Entre andares (Dir. Aline van der Linden e Marina Maciel/ 14″42/ Brasil)

No centro de Recife, cinco pessoas resistem em um edifício em estado de degradação. Enquanto eles contam as suas histórias pessoais, memórias do edifício e da cidade são reveladas.

Meio fio (Dir. Denise Vieira/ 20″/ Brasil)

Karine acaba de se mudar para um conjunto habitacional ‘Minha casa, Minha vida’ em Águas Lindas, entorno do DF. Divide seu tempo entre arrumar a nova casa e fazer o seu programa de rádio, enquanto uma questão pendente do passado insiste em reaparecer.

A Grande Aventura. (Dir. Cassandra Oliveira/ 25″/ Brasil+Cuba)

Yolana (60) escreve roteiros para a rádio novela “A Grande Aventura da Humanidade”, da Rádio Progresso, em Cuba. Em sua novela, a escultora francesa Camille Claudel sofre de um amor que lhe leva à loucura e solidão. Enquanto escreve o roteiro e tenta envolver o seu filho no processo, o drama da novela envolve alguns dos seus próprios conflitos.

Serviço:

Clube de Cinema apresenta: Circuito Cineclubista FINCAR
Data: 24 de setembro
Horário: 18h30
Local: Espaço Caos – arte e cultura (Av. Procópio Rola 1572. Centro.)
Entrada franca

Fonte: FIM

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*