IV Encontro de Folias Religiosas do Amapá

folias_religiosas

Por Decleoma Lobato Pereira

Ao som de instrumentos musicais rústicos como tambores, tabocas, rapadores, violas, sinos e similares, homens e mulheres, no interior do Amapá, expressam sua devoção aos santos do catolicismo, através de cantorias simples, mas cheias de fervor religioso, chamadas “folias”.

Constituindo-se como parte de práticas culturais que remontam ao período da colonização do Brasil, e da Amazônia, por conseguinte, as folias religiosas atravessaram os tempos mantidas graças à resistência de grupos e comunidades locais que as veem como herança dos antepassados.

Através da continuidade das folias, cuja forma de transmissão é essencialmente a oralidade, os foliões e foliãs rendem homenagens às gerações passadas, e expressam sua gratidão e fé aos santos de sua devoção.

No estado do Amapá nove comunidades, espalhadas em cinco municípios, ainda preservam as folias religiosas e junto com elas um repertório de práticas e elementos culturais extremamente rico, como as “esmolações” (peregrinações com as imagens sacras para visita e coleta de donativos); a organização hierarquizada das Comissões de Foliões ou de Foliãs e as regras internas de comportamento próprias de cada grupo. Da mesma forma, outras expressões culturais vigentes como o Marabaixo, o Batuque, o Sairé, o Zimba, associam-se às folias religiosas nas festas em homenagem aos santos e santas do catolicismo.

O Encontro de Folias foi idealizado no ano de 2010, em uma reunião descontraída entre os pesquisadores e documentaristas Decleoma Lobato e Iran Lima de Sousa e a Comissão de São Tomé, na qual se expôs a ideia de um momento para reunião de todas as Comissões de Folias. Na ocasião, o Sr. Manoel Eleutério, Coló, muito emocionado, contou que este seria um desejo não realizado de seu falecido pai, o Seu Cabeleira.

Assim, casando a vontade da família Cabeleira com o projeto da Associação Amapaense de Folclore e Cultura Popular. Após isto, o Encontro Estadual de Folias Religiosas teve suas duas primeiras edições, em 2011 e 2012, na comunidade do Carvão, município de Mazagão, junto com a Festa de São Tomé. Como a proposta do Encontro é da itinerância, em 2113, a Irmandade de São Benedito, de Mazagão Novo, recebeu todas as demais Comissões de Foliões e de Foliãs para o III Encontro que aconteceu concomitante com a festa em louvor ao seu santo patrono. Neste ano de 2014 a comunidade do Carvão se prepara novamente para receber os foliões para o IV ENCONTRO DE FOLIAS RELIGIOSAS DO AMAPÁ, nos dias 19, 20 e 21 de dezembro, juntamente com o centenário da Festa de São Tomé.

.O Encontro de Folias Religiosas é uma iniciativa da Associação Amapaense de Folclore e Cultura Popular em parceria com as Comissões de Folias e tem como objetivo principal fortalecer e valorizar as Culturas Populares do Amapá, particularmente essa forma demazaga1 expressão cultural. O IV Encontro de Folias Religiosas amplia a programação para a realização do I Encontro Internacional de Folclore e Cultura Popular do Amapá, com o intuito de promover o contato e o intercâmbio entre os grupos de culturas populares nacionais e internacionais, com ênfase para a região do Platô das Guianas; para a realização do I Encontro de Rezadores de Ladainha, importante elemento associado às folias e de grande ocorrência em festas religiosas, inclusive em casas das religiões afro-brasileiras, no Amapá. Com esse Encontro pretende-se dar visibilidade também à diversidade de formas de rezar a ladainha em latim, no Amapá, e valorizar os portadores desse conhecimento. Durante a realização do IV Encontro de Folias ocorrerá também o Seminário: Patrimônio Cultural e Políticas Públicas para as Culturas Populares, em parceria com o IPHAN e a UNIFAP, com o objetivo de aproximar a academia e os fazedores das culturas populares, com mesa composta por: Profª. Dra. Piedade Videira (AP), Profª.Dra. Joseline Trindade (PA), Profª Msc. Decleoma Lobato Pereira, Profª Msc. Irislane Moraes (AP). Nessa ocasião será efetuada consulta pública sobre a revisão do Plano Setorial de Culturas Populares, a qual contará com a presença de representantes desse Setorial no Conselho Nacional de Políticas Culturais – CNPC.

O Encontro de Folias Religiosas do Amapá é um desdobramento do Inventário de Folias – projeto em execução pela entidade desde 2009 pela Associação Amapaense de Folclore e Cultura Popular Ponto de Cultura “Povo de Fé e de Festa”. O referido inventário consiste no estudo histórico e etnográfico e no registro audiovisual das festas religiosas que realizam as folias, práticas culturais seculares, cujos contornos peculiares são resultantes do processo de hibridação sofrido pelas culturas portuguesa, africanas e indígenas, no decorrer da colonização do Brasil.

O Inventário vem produzindo um acervo documental extremamente rico, composto de milhares de fotografias, dezenas de horas de filmagens em formato HD, cópias digitais de documentos impressos, relatórios de trabalho de campo e textos escritos, que são disponibilizados à população através da Sala de Folclore e Cultura Popular da Biblioteca Pública Estadual Elcy Lacerda.

De cada festa registrada é produzido um vídeo documentário de cerca de 30 minutos e um texto escrito. Os textos trazem informações basicamente sobre a comunidade: história, geografia, meio ambiente, atrativos turísticos; a festa: descrição dos vários elementos que as compõe como as alvoradas, o levantamento e derrubada do mastro, as novenas, as formas e mecanismos de organização e sustentabilidade; as folias: letras, ritualística; Comissão de Foliões e de Foliãs: composição, organização, formas de adesão, mecanismos de transmissão do conhecimento, regras de comportamento. mazaga11

A Associação Amapaense de Folclore e Cultura Popular – AAFCP é uma entidade civil, sem fins lucrativos, atuante desde 2007 na pesquisa e na formação em gestão, nas áreas da cultura, do turismo e do meio ambiente. Nesta associação, o conceito de Folclore com o qual se lida o compreende como ciência que estuda as manifestações das culturas populares, sobretudo as culturas tradicionais, entendidas, por sua vez, como aquelas que preservam como mecanismos de transmissão dos seus conhecimentos a oralidade e o repasse de geração em geração, categoria em que se enquadram grande parte dos elementos que constituem as formas de expressão das culturas populares, e do patrimônio cultural imaterial, no Amapá.

O patrimônio cultural imaterial é, assim, transmitido de geração a geração e constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade.

Da mesma forma, o Folclore como campo de estudo e como práticas metodológicas de pesquisa acadêmico-cientificas, se atualiza. Atualiza seus conceitos, seus métodos, portanto, não trabalha na perspectiva da imutabilidade, não prescinde do reconhecimento das dinâmicas culturais de mudança e transformação inerentes a todo processo histórico.

Neste sentido, por exemplo, não se desconhece que, embora a oralidade seja ainda o mecanismo mais relevante na transmissão dos conhecimentos tradicionais, as comunidades, grupos e indivíduos fazedores das culturas populares se apropriam de novos meios e instrumentos da modernidade, as novas mídias, por exemplo, para assegurar a continuidade do processo de ensino e aprendizagem.

Assim sendo, o trabalho da Associação Amapaense de Folclore e Cultura Popular se reveste de suma importância considerando que todo registro das manifestações, da realização das práticas culturais, contribui para sua preservação, no mínimo, enquanto instrumento de preservação da memória e dos conhecimentos populares em dado momento histórico.

Equipe de trabalho do Inventário
Decleoma Lobato Pereira
Iran Lima de Sousa
Marcelo Sá de Oliveira
Eudo Augusto Cavalcante

Fonte: Amapá Digital

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*