Juízes e servidora do TJAP participam de evento internacional sobre Direito Sistêmico

Os juízes Marcus Quintas e Larissa Noronha, titulares da 1ª Vara de Família, Órfãos e Sucessões da Comarca de Macapá e Vara da Infância e Juventude da Comarca de Santana, respectivamente, e a oficiala de Justiça do TJAP, Artilamar Quintas, participaram do 1º Congresso Internacional Hellinger de Direito Sistêmico, que aconteceu na cidade de São Paulo/SP, nos dias 22 e 23 de junho.

Os representantes do Amapá destacaram os pontos altos do evento: as palestras de Sophie Hellinger e do Juiz de Itabuna (BA) Sami Storch, que apontaram as possibilidades do Brasil se tornar o primeiro país com um Poder Judiciário de olhar sistêmico, sendo que tal movimento não ocorre em nenhum outro local com a força que vem ocorrendo no Brasil.

O juiz Marcus Quintas, que também é subcoordenador das Varas de Família do TJAP, falou da troca de experiências entre os mediadores sistêmicos de diversos países onde a prática é difundida nas mais diversas áreas do conhecimento, não apenas no setor jurídico, mas também nos ramos da pedagogia, psicologia e outros campos de atuação.

“O Congresso foi um importante marco para difundir o Direito Sistêmico como prática integrativa e complementar para a resolução de conflitos no Judiciário Brasileiro. Representou um novo olhar mais humanizado ao processo, trazendo uma nova cultura para a gestão sistêmica pelo juiz dos casos submetidos a sua apreciação, onde o mais importante é a pacificação das partes”, enfatizou o magistrado.

A 1ª Vara de Família, Órfãos e Sucessões de Macapá, da qual o juiz é titular, foi precursora no uso da Constelação Familiar no Judiciário amapaense, prática que vem sendo utilizada desde o início do ano de 2016.

De acordo com a juíza Larissa Noronha, o Amapá já está inserido neste contexto do Direito Sistêmico. Na Vara da Infância e Juventude de Santana os exercícios sistêmicos são utilizados no curso de pretendentes à adoção, além do curso com Marilise Einsfeld que vem sendo desenvolvido para servidores e juízes.

“Com mais de mil participantes de diversas áreas do conhecimento (direito, saúde, física, ciências exatas e humanas) e de todos os cantos do país, o compartilhamento de experiências com os colegas foi fantástica, nos encorajando para o uso ainda maior da percepção sistêmica no trabalho diário”, ponderou a magistrada.

A juíza ainda destacou a exposição feita durante o painel da experiência do estado de Alagoas, onde são utilizadas as constelações para casais em processo de adoção e nas instituições de acolhimento. “O conhecimento das experiências encoraja e fortalece o caminho na utilização cada vez maior da técnica”, finalizou.

A consteladora e servidora do TJAP, Artilamar Quintas, atualmente única profissional certificada em Constelação Familiar no Judiciário do Amapá, também esteve presente no Congresso. A servidora atua com a prática em processos da Justiça, sendo designada pelos magistrados das Varas de Família de Macapá.

Assessoria de Comunicação Social do Tjap

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *