Justiça acolhe tese do MP-AP e condena réu a 12 anos de prisão por homicídio qualificado

O Ministério Público do Amapá (MP-AP) participou, na última quarta-feira (23), no Fórum de Macapá, do julgamento de um homem acusado do crime de homicídio qualificado. O crime ocorreu em 2015, e vitimou Arlei Palmerim Rodrigues. A sessão foi presidida pelo juiz da 1° Vara do Tribunal do Júri de Macapá, Luiz Hausseler.

O MP-AP foi representado pela titular da 2 Promotoria de Justiça do Tribunal do Júri, promotora de Justiça Klisiomar Lopes. Na ocasião, os jurados acolheram integralmente a tese do órgão ministerial e o réu André Farias de Oliveira, foi condenado a 12 anos de reclusão em regime fechado.

Sobre o crime

De acordo com as investigações, Arlei Palmerim Rodrigues foi morto em 30 de agosto de 2015, por volta das 2h da manhã, na rua Pedro Américo, no bairro Perpétuo Socorro. Ainda segundo o inquérito, o que motivou o assassinato foi uma desavença antiga entre os envolvidos e o desejo de vingança de André Farias de Oliveira.

André efetuou três disparos a distância de arma de fogo contra Arlei que estava cochilando enquanto aguardava seu lanche, tornando impossível a defesa da vítima, que morreu no local, em via pública, conforme laudo de exame pericial necroscópico encartado nos autos.

“O MP-AP está empenhado em dar uma resposta para a população e subsidiar o Judiciário para que a Justiça seja feita. O condenado não deu chance alguma de defesa à vítima conforme se demonstrou através das provas dos autos. Mais uma vez, o Ministério Público cumpriu seu papel. Seguiremos a realizar nosso trabalho com a responsabilidade que essa atividade exige”, frisou a promotora de Justiça Klisiomar Lopes.

SERVIÇO:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *