Justiça do Amapá promove campanha permanente de combate às Fake News

O Judiciário tucuju vem combatendo a disseminação de falsas notícias em qualquer plataforma que trazem informações inverídicas. Com a pandemia da Covid-19, onde as pessoas passam mais tempo com equipamentos eletrônicos, todo cuidado é pouco. O Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP) tem feito sua parte por meio de campanhas permanentes nas mídias sociais com a divulgação de técnicas de identificação de Fake News (notícias falsas) e verificação de fatos e fontes. Ao ler uma citação duvidosa sobre o Tribunal de Justiça do Amapá, entre em contato com a Assessoria de Comunicação do TJAP pelo whatsapp (96) 9 9186 5456 ou envie um e-mail para [email protected] e vamos esclarecer todas as suas dúvidas.

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, desembargador Rommel Araújo, reforça o apelo para que todos evitem compartilhar notícias e outras publicações sem saber a origem e a veracidade do que está escrito. “Hoje a notícia está na palma da nossa mão, e por isso é importante ficarmos atentos às diversas informações que chegam a todo tempo. Notícias sem fonte, sem assinatura, sem data ou divulgadas em sites sem credibilidade precisam ser checadas, antes de compartilhar com amigos ou familiares. A informação é nossa maior aliada, vamos combater a desinformação”, ressalta.

O Judiciário do Amapá destaca algumas medidas simples e necessárias para combater a proliferação desse vírus chamado mentira.

• Verifique o que dizem outros veículos de sua confiança ou já estabelecidos;
• Cheque a atualidade (data da publicação) e autoria (assinatura) da notícia e dê prioridade aos veículos que evidenciem ambas;
• Avalie se a matéria expõe dois ou mais pontos de vista com equilíbrio e imparcialidade;
• Confirme a qualificação das fontes (formação, histórico e conflitos de interesse);
• Valorize veículos que apontam currículo das fontes e links para referências científicas.
Além disso, desconfie de: títulos muito sensacionalistas; exigência de compartilhamento; nome ou visual que imita outros veículos; e textos com erros de português ou adjetivos frequentes, que tratem opinião como fato ou que afirmam absolutos (todos, sempre, nunca etc).

Texto: Fernanda Picanço
Assessoria de Comunicação Social do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *