Menina Legal – Crônica de Ronaldo Rodrigues

11047018_10200267242001298_2024917406_n

Crônica de Ronaldo Rodrigues

Dentro do olho plantei um grão de areia, um cisco que deixei ficar no cantinho do olho, de propósito. De tanto regar esse grão de areia com lágrimas e gotas de chuva, ele foi se transformando em duna. Depois de alguns meses, já era uma praia completa, com coqueiros & conchinhas.

Passei a levar essa praia para todo lugar que ia. Quando me encontrava de folga, invocava o sol e convocava Menina Legal para curtir essa praia. Dava uma esfregadela no olho, muito lentamente, para não irritar a paisagem, e deixava cair uma cascata de areia branquinha, que ia se estendendo pelo chão, feito um tapete. Aí, eu deitava & rolava com MeninaLegal, nos bronzeando nus do umbigo pra cima e completamente pelados do umbigo pra baixo.

Quando a tarde caía, colocava o outro lado da lua na vitrola, respirando música misturada ao som da blusa estendida no varal. MeninaLegal olhava longamente/farolmente para o horizonte e deixava o barquinho de papel navegargalhar sobre a ponte do infinito, atravessando um puríssimo azul, resto do dia que ia e promessa da noite que chegava. O coração pegava carona no barquinho de papel e alçava voo de gaivota sobre os edifícios cinzentos da Avenida Crepuscular. Deixava cair uma clave de sol no mar. Mostrava ao trânsito engarrafado a saída do labirinto urbano. Devolvia à Cidadela do Carnaval o despertar da folia. A fauna & a flora dos bares & becos ecoavam na TV seu grito de fera.

Na manhã seguinte, o paraíso se dissipava. MeninaLegal colocava uma flor verdemelha no longo cabelo e ia embora, trabalhar de fada encantada de feira de artesanato. À noite, passava um batom lilás e assumia sua identidade secreta: esposa de executivo com golpe armado pra cima do marido.

Solitário, só me restava recolher ao olho minha praia portátil, distribuir meus últimos dólares entre os cachorrorosos bêbados do boulevard e seguir para a Caverna Central, em busca de um drops de dicionário antigo. Só assim eu conseguiria entender o significado da minha dor e talvez falar a linguagem dos ratos da Biblioteca de Alexandria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *