Moedas e Curiosidades: “Aquarela do Brasil” – Por @SMITHJUDOTEAM

Por José Ricardo Smith

Em junho de 2019 estava em Belém participando de um evento, e aproveitei para fazer uma visita na loja do meu grande amigo Fragoso, na rua dos 48 n° 53, que promove um encontro semanal denominado “Sábados Numismáticos e Multicolecionismo na Frag’s”, e me deparei com essa linda moeda de prata 925, com 40mm de diâmetro e 27g de peso, que homenageia um dos maiores compositores brasileiros: Ary Barroso, não perdi a oportunidade de colocá-la na minha coleção.

João Evangelista Barroso, conhecido como Ary Barroso, nasceu em Ubá-MG, no dia 7 de novembro de 1903. Filho do advogado João Evangelista Barroso e Angelina de Resende Barroso, ficou órfão com 6 anos de idade e passou a ser criado pela avó materna e pela tia, que o ensinou a tocar piano. Com 12 anos de idade já trabalhava como pianista no Cinema Ideal de Ubá, acompanhando os filmes mudos. Com 15 anos começou a compor.

Em uma noite chuvosa de 1939, Ary Barroso resolve fazer uma música “cheia de inovações”, e meia hora depois a letra e a música “Aquarela do Brasil” estavam prontas. A música que exaltava o bom e o belo do Brasil foi levada para uma peça de Edmundo Lyz, porém passou despercebida. Voltou ao teatro em Joyoux e Balangandans, de Henrique Pongetti e foi interpretada por Cândido Botelho. Desta vez, foi muito bem recebida pelo público. Em outubro de 1939 a música foi gravada por Francisco Alves e logo se tornou um sucesso.

Ary Barroso foi convidado para fazer o fundo musical das aventuras de Zé Carioca em “Alô Amigos”, em 1942, com a música “Aquarela do Brasil”. Mais tarde incluiu as músicas: “Tabuleiro da Baiana” e “Os Quindins de Iaiá”, no desenho “Os Três Cavaleiros”. Ary Barroso ganhou notoriedade internacional e foi chamado três vezes para Hollywood para musicar outros filmes, entre eles, “Três Garotas de Azul”. Em 1944 foi indicado ao Oscar de melhor canção original com a música “Rio de Janeiro” do filme “Brasil”.

Ary Barroso não foi só autor de composições inusitadas e pitorescas, como também – em suas diversas atividades artísticas – teve comportamento diferente daqueles que normalmente se espera.

Na sua atividade radialista, por exemplo, mais precisamente na de locutor esportivo, Ary Barroso nunca escondeu sua paixão pelo futebol, nem seu fanatismo pelo Clube de Regatas Flamengo do Rio de Janeiro, e deixou sua marca nas diversas inovações que fez ao irradiar as partidas de futebol.

Ary Barroso faleceu no Rio de Janeiro, no dia 9 de fevereiro de 1964, em conseqüência de uma pneumonia, em um domingo de Carnaval, no dia em que a escola de samba Império Serrano lhe prestava uma homenagem com o enredo “Aquarela do Brasil”. Em 2008, a Academia Brasileira de Letras inclui a música “Aquarela do Brasil” entre as 17 composições “inquestionáveis do cancioneiro brasileiro”.

* José Ricardo Smith é professor e numismático.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *