MP-AP e PMM lançam aplicativo “SOS Mulher” para combater violência doméstica

O Ministério público do Amapá (MP-AP), em parceria com a Prefeitura Municipal de Macapá (PMM), lançou nesta quarta-feira (9), na sede da Procuradoria-Geral deAplicativo Justiça, o aplicativo “SOS Mulher”. A ferramenta tem o objetivo de combater a violência doméstica na capital amapaense.

O aplicativo identificará com rapidez as agressões ocorridas, pois o deslocamento até a delegacia mais próxima, na maioria dos casos, apresenta algumas dificuldades. Espera-se, com isso, que o número de casos seja controlado e erradicado. A ferramenta vem para solucionar esse problema e agir diretamente na diminuição dos casos. O programa foi desenvolvido pelo Departamento de Tecnologia da Informação do MP-AP, com a ajuda do Núcleo de Inteligência do Ministério Público (Nimp) e da Coordenadoria de Mulheres da PMM.

A promotora Alessandra Moro, titular da Promotoria de Justiça de Defesa da Mulher de Macapá (PJDMM), falou sobre a importância do nosso instrumento para reduzir a violência doméstica e familiarAlessandra Moro contra a mulher no Estado. “Com um mecanismo simples e de fácil acesso, essa ferramenta disponibilizada pelo MP-AP e PMM é mais um recurso para fazer um alerta de qualquer situação que coloque em risco a vida da mulher”, salientou.

“Agradeço a recepção e acolhimento do MP-AP. Andar de mãos dadas é fundamental que alcancemos cada mais mulheres. Estamos entregando uma Política Pública que vai ser acessada pela população de todo o Estado e Brasil. Para nós, é uma alegria imensa porque é o resultado de uma luta diária em defesa das mulheres. Incansavelmente recebemos mensagens dessas vítimas pedindo apoio e agora ficou mais fácil e seguro esse pedido de socorro”, manifestou a coordenadora de Políticas Públicas para Mulheres da PMM, Anne Pariz.

“De fato, é muito gratificante que após um ano de tratativas estejamos lançando efetivamente esse aplicativo. Dedico esse momento às mulheres invisíveis, que fazem parte de um mundo que a gente nem imagina. A gente até sabe que existe, mas não temos noção do sofrimento interno que vive uma mulher que passa por essa violência física e psicológica. Precisamos nos unir cada vez mais em ações como essa”, comemorou a promotora de Justiça Andrea Guedes, coordenadora do NIMP.

O prefeito de Macapá, Clécio Luis, falou da principal função do aplicativo para a sociedade. “É para nós, a possibilidade de efetivação de políticas públicas, de combate aClécio Luis violência contra mulher. Esse programa, vai disponibilizar uma série de outros serviços, possibilidades, não só de combate a violência em si, mas também do propósito de continuar com a cultura da paz”.

Finalizando as apresentações sobre a ferramenta, o procurador-geral de Justiça, Márcio Alves, abordou em sua fala os aspectos da violência contra mulher e o apoio das instituições para combater esses casos.

“A violência contra a mulher não é uma característica do machismo brasileiro e nem do machismo latino-americano. É uma característica mundial. Nós precisamos, no país, de instituições fortes, em que as pessoas possam acreditar. Isso nós estamos fazendo no Ministério Público”, pontuou o PGJ.

Estavam presentes, ainda, membros do MP-AP, dirigentes da PMM, lideranças dos movimentos sociais e secretária extraordinária de Política para as Mulheres do Governo do Estado, Uelen Azevedo.

Como funciona o aplicativo

O diretor de TI do MP-AP, Rodinei Paixão, fez uma breve apresentação sobre o funcionamento do aplicativo, destacando a facilidade para utilização, a funcionalidade e o alcance. “Se levarmos em consideração que hoje temos mais aparelhos de celular que habitantes no país, podemos imaginar o universo a ser explorado. Estamos entregando uma solução técnica de enorme alcance social e agradecemos a oportunidade de participar desse projeto”, frisou.

Uma vez instalado no aparelho celular, a mulher poderá cadastrar até cinco nomes de sua confiança no aplicativo. Para os casos de emergência, deverá acionar um botão intitulado “Botão de SOS”, que automaticamente enviará uma mensagem de socorro aos contatos cadastrados, com a exata localização da vítima.

Telefones úteis para acesso rápido também estarão disponíveis e, para encorajar as mulheres a romperem o ciclo da violência, haverá um campo destinado a relatos de experiências, sem a necessidade de identificação, por meio de rigoroso controle de privacidade.

SERVIÇO:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *