MP vai à escola: projeto de prevenção à corrupção inicia na Escola Estadual Quilombola David Miranda, área rural de Macapá


O Ministério Público do Amapá (MP-AP) iniciou nesta terça-feira (8), na Escola Quilombola Estadual David Miranda dos Santos, localizada na Vila Porto do Céu, área rural do município de Macapá, o projeto “Prevenção à Corrupção: o MP vai à escola”. A iniciativa estratégica do MP-AP tem o objetivo de contribuir para a prevenção primária à corrupção, promovendo a educação para a ética e cidadania.

A escola David Miranda funciona há dois anos e seis meses em um imóvel alugado. Chegar até lá é um desafio diário para professores, técnicos e alunos, que precisam enfrentar uma estrada sem pavimentação e bastante danificada pelas chuvas. São aproximadamente 230 estudantes do Ensino Fundamental I e II, mal acomodados em pequenas salas de aula.

Apesar das dificuldades estruturais, a comunidade escolar recebeu com entusiasmo a equipe do MP-AP, formada pelo procurador-geral de Justiça do MP-AP, Márcio Augusto Alves; a chefe de gabinete da PGJ, promotora de Justiça Gisa Veiga; o titular da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, da Probidade e das Fundações de Macapá (Prodemap), promotor Laercio Mendes e o gerente do programa MP Comunitário, Vilas Boas.

Durante o lançamento, os membros do MP-AP conversaram com os alunos e estimularam uma reflexão sobre as consequências da corrupção, incluindo os pequenos atos praticados todos os dias. “Quem já furou fila? E quem já colou na prova? Com essas provocações quero demonstrar que também cometemos erros ao longo da vida, mas podemos e devemos mudar. São pequenos atos, aparentemente inofensivos, que banalizam a cultura da corrupção em nosso país e nos tiram a esperança de que as coisas podem dar certo”, iniciou o PGJ, Márcio Alves.

O promotor de Justiça Laercio Mendes recebeu uma série de perguntas dos alunos, com questões sobre a qualidade da merenda servida na escola, utilização indevida de benefícios para deficientes, sensação de impunidade e o comportamento de pessoas que “querem tirar vantagem” sobre as outras. “Como nós vimos, a corrupção não é praticada somente por políticos. Então, se quisermos mudar a nossa realidade, devemos começar por nós essa mudança”.

Para a promotora Gisa Veiga, a atenção dos alunos e o envolvimento do corpo técnico com a temática revelam o quanto o projeto é importante. “Devemos agora levar o que aprendemos para as nossas casas e estimular essa conversa também com os amigos. Vimos que a prevenção e o combate à corrupção devem iniciar por cada um. Então, convidamos todos a se unirem ao MP nesse desafio”.

A diretora da escola, Maria das Graças da Silva Soares, agradeceu aos membros e servidores do Ministério Público. “Temos certeza que as coisas podem melhorar com esse projeto. Além de despertar a consciência em todos nós, a iniciativa aproxima a instituição da nossa realidade e juntos podemos lutar por melhorias em favor da educação”.

Os estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental, com apoio dos seus professores, produziram um vídeo sobre o tema, que foi exibido logo após as palestras e, ao final, houve apresentação e roda de Marabaixo.

Demais ações do projeto

O cronograma de visitas do MP nas escolas prevê, ainda esta semana, ações similares na Escola Estadual Deusolina Salles Farias (Macapá) e Escola Municipal Odete Almeida Lopes (na zona Norte da capital amapaense).

Após a programação especial de lançamento, que será realizada em cada escola, haverá oficina de formação teórico-metodológica em gestores, técnicos e professores. O objetivo é instrumentalizar esses profissionais sobre os conceitos e temas relativos à prevenção da corrupção (cultura, sociabilidade, valores, ética e cidadania), visando a introdução dessas temáticas nos componentes curriculares ministrados por eles.

Na sequência haverá rodas de conversas com os alunos, utilizando os “Círculos de Diálogos”, uma metodologia de Justiça Restaurativa; oficinas de produção audiovisual e, por fim, uma mostra do material produzido, com premiação das escolas vencedoras.

Parceiros

São instituições parceiras do projeto “MP vai à escola”: Universidade Federal do Amapá (Unifap), por meio do Curso de Jornalismo; SEED; SEMED; Escolas Estaduais: Deusolina Salles Farias, David Miranda, Daniel de Carvalho, Osvaldina Ferreira da Silva, José de Ribamar Pestana, Jesus de Nazaré; Escolas municipais: Roraima, Odete Almeida Lopes, Lúcia Deniur e Piauí.

SERVIÇO:

Ana Girlene Oliveira
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *