Natura Musical: Coletivo Musical Pororoca Sound realiza live, com apresentações de nove artistas amapaenses, neste sábado (15) – (Sim, foi transferido de ontem para hoje)

O coletivo de música Pororoca Sound-Incubadora de Empreendimentos Musicais realiza, neste sábado (15) a partir das 20h, um show virtual e online com 9 artistas da música amapaense. O evento é patrocinado pela Natura Musical e realizado pela organização da Cia. Ói Nós Aki, que disponibilizará o streaming pelos canais próprios no Youtube e Facebook. O evento estava marcado para ontem, sexta-feira, mas problemas com a internet do Amapá adiaram para hoje.

A programação conta com os músicos e bandas Sabrina Zahara, Pretogonista, Mc Deeh, Capitão Pupunha, Brenda Zeni, Jhimmy Feiches, Mari Marti, Elysson Perera e Mayara Braga. Ao todo, 43 propostas, entre artistas e projetos de fomento de cenas e redes, inovação e inclusão, foram escolhidas.

O foco são iniciativas que, sobretudo, desenvolvem projetos artísticos com identidade própria, refletindo narrativas contemporâneas e gerando impacto social, econômico e ambiental positivo. Com isso, os artistas amapaenses passarão por um processo de aceleração, que culminará com a produção e entrega de nove álbuns musicais inéditos e nove videoclipes.

Neste Edital, além da criação artística, foram selecionadas propostas a partir de um olhar mais inclusivo, buscando aumentar a proporcionalidade de grupos historicamente sub-representados.

SAIBA MAIS SOBRE OS ARTISTAS:

Sabrina Zahara – Foto: divulgação.

Sabrina Zahara

Além de cantora e compositora, Sabrina Zahara é atriz, poeta e cronista. Uma paulista que se criou no Amapá e possui 22 anos de carreira artística. Seu primeiro contato com a música foi aos 14 anos quando integrou a banda Os sem nomes.

A partir de 2017, quando começou a dar ênfase à carreira musical autoral, com parcerias de sucesso, foi possível a classificação de duas músicas autorais no Sescanta-AP (2017 e 2018), as execuções dos shows Entre o Azul (2017) e Parangolés (2018), com Paulo Bastos. Os shows A Sua Bença (2018) e Em casa (2019) , com Ton Rodrigues e Água Doce (2018), com Mayara Braga. Em 2019, surgiu o show solo Eu Não Ando Só.

Mayara Braga – Foto: divulgação.

Mayara Braga

Mayara Braga canta músicas autorais e MPB. A artista tem um CD gravado “Negra da Luz” de Wilson Cardoso, Zé Maria Cruz e a própria cantora, que homenageia Mãe Luzia e sua história. A cantora descobriu seus talentos com 8 anos de idade, aos 12 anos participou do Macapá Verão como convidada da Banda Placa e com 14 anos foi campeã do Festival de Novas Interpretações do Sesc. Já participou da Banda Negro de Nós e Suíte Popular, além do Festival do Meio do Mundo em 2006.

Aos 14, foi campeã do primeiro festival e participou de algumas bandas locais no Amapá. Há 8 anos, dedica-se ao trabalho autoral e há 4, às Religiões de Matrizes Africanas, busca respeito e fé através da pluralidade musical que a acompanha desde menina.

Mc Deeh – Foto: divulgação

Mc Deeh

Ana Débora de Andrade Oliveira, nome artístico Mc Deeh, 23 anos, é um dos principais nomes do rap feminino no Estado do Amapá, ao qual se dedica desde os 13 anos de idade. Iniciou como b-girl seguindo-se das músicas autorais. Possui 05 videoclipes gravados: Meu Bonde é Esse, Madalena (feat. Anna Suav), Julgamento (feat. Pretogonista), 188 e Black Money (feat. Ruth Clark).

Pretogonista – Foto: divulgação

Pretogonista

Seus primeiros passos se deram com o destaque no Festival Expressões das Ruas em 2015. Seu processo criativo está voltado à difusão da cultura negra, periférica e ribeirinha da Amazônia, trazendo uma mistura musical de ritmos, cantos e batuques. Possui 02 (dois) álbuns lançados, um solo “Visão Periférica” e um com coletivo de Mc’s Máfia Nortista “Du Norte Pru Norte”.

Brenda Zeni – Foto: divulgação

Brenda Zeni

Cantora, compositora e produtora musical. Em sua estreia conquistou o prêmio de melhor intérprete do Festival de Música da Assembleia Legislativa (AP), defendo a música “Aquário das Marés”. Em 2017 lançou seu primeiro trabalho de estúdio, “Quebra do Feitiço”. Seu videoclipe “Dublar”, ficou entre os TOP 20 do Festival EDP Live, concorrendo com 3.000 bandas de todo o Brasil.

Jhimmy Feiches – Foto: divulgação

Jhimmy Feiches 

Multiartista, sua obra celebra a pluralidade da música nortista em performances energéticas, onde o público é parte da experiência. Seu primeiro trabalho autoral, cujo lançamento se dará em 2021, começou a ganhar corpo em 2016. Trata-se de um álbum que além de músicas, trará uma revista em quadrinhos, onde será possível conhecer o caminho até aqui percorrido.

Capitão Pupunha – Foto: divulgação

Capitão Pupunha

É o comandante da Canoa Cósmica ybytu 473. Adepto da Alquimia Modular Tucuju, criou em 2017 o Som da Amazônia Espacial, abordando uma relação de antítese do Universo Sideral e a Amazônia, conectadas pela música, onde efeitos, distorções, solos estendidos e improvisação fundem-se com Caixas de Marabaixo e ruídos diversos.

Elysson Perera – Foto: divulgação

Elysson Perera 

Adepto do bordão: “Eu quero mesmo é que tudo se folk”, apresenta-se como um caboclo músico, produtor, compositor e Engenheiro Florestal. Sua carreira é marcada por atuações como siderman, com artistas do Amapá, Goiânia e Brasília. Em 2020, resolveu dar vida a seus escritos, tirou da gaveta experimentos escondidos a 7 chaves.

 

Mari Marti – Foto: divulgação

Mari Marti 

Simples, despojada e intuitiva. É assim que Mari Marti se lança em suas músicas, com influências do folk/ pop, em letras que falam sobre a vida e o Eterno. Violonista, tecladista, cantora e compositora, sua carreira começa a ganhar forma através da Banda Nume.

Matéria escrita por Caio Coutinho e Elton Tavares para o site Blog De Rocha. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *