Notas sobre Elton Tavares, que gira a roda dessa louca vida – Por Jaci Rocha

 

Por Jaci Rocha

“Eu vou fazer um samba em homenagem
À nata da malandragem
Que conheço de outros carnavais”

Todos os loucos do mundo são diferentes. Porque pensar nisso na data de hoje? Porque é Setembro, e neste dia 14, Elton Tavares gira a roda da vida, em seu Ano-Novo particular. Ele é um dos loucos mais bacanas que conheço.

Elton tem o tipo de loucura singular que deixa a gente feliz por ter gente que ainda seja assim: é pessoa – e sustenta isso – em todas as acepções que a palavra possa conter.

Aficionado por letras e cultura em muitas das suas vertentes, Elton é um jornalista talentoso, com verbos fortes e clareza de comunicação. É um filho, irmão, tio, neto e amigo amoroso, um cara com justeza ímpar e inteligência curiosa, do tipo que não se acomoda.

Ele tem um humor ácido, um olhar cínico, um sorriso de menino e o gênio de lâmpada acesa demais. Para ter qualquer forma de convivência com o Elton, é preciso compreender que sem toda essa intensidade sentimental, simplesmente ele, em sua composição própria como indivíduo, não existiria.

Elton é um viajante. Entre lugares e pessoas, ele segue a vida, entre conhecer espaços e construir o próprio. Aliás, ele é muito próprio (não ‘a-propriado’, próprio mesmo), como poucas pessoas ainda são, nesse mundo que tenta, a todo custo, dissolver personalidades.

Elton é ‘um figura’ de palavra. Desde os textos que escreve às letras de poemas e canções que publica, diariamente. Tudo nele tem som, barulho, sentido, verbo. Por falar em palavras, algumas fazem parte do que o define: Amor, integridade, intensidade, antítese e ambiguidade (tudo no modo máximo, pois não é de metades).

Ele tem flores e sol dentro de si. Aquele calor de ‘ser gente’ que transcende para vida (pois é extremamente calorento), e o perfume de existir, que ele chama de sorte, mas qualquer transeunte desavisado percebe que é essa luz particular, que o guia pelos bons caminhos de nosso amigo Deus.

Ele nasceu no cio da nossa Primavera, brindado pelas marés mais bonitas do Equador, onde os ventos do norte sacodem as mangueiras, derramam flores de ipês e trazem aos filhos deste rio o cheiro adocicado de vida bendita, outra forma de dizer “bênção”.

Certa vez disse para o Elton que o amor é a força mais poderosa que podemos construir. No nosso caso, o Universo ensinou que uma mesma árvore pode florescer de muitas formas, e eu sou grata, porque a gente renasce muitas vezes. Que bom que, nessa mesma vida, pudemos ver isso acontecer!

Elton, que a vida seja sempre para ti esse lugar porreta , cheia de rock e coisas novas pra viver, e que,se em algum momento ela não for, tenha sempre amor, muito amor, para ‘recomeçar’. Que nosso grande amigo Deus possa bendizer teus passos, teus sonhos e o teu caminho e que a FELICIDADE seja sempre tua maior companheira de jornada.

Muito obrigada por ser infinito. Mais uma vez, é dia de te bendizer!

*Jaci Rocha é advogada (uma de minhas duas advogadas). A gente namorou por um tempão e hoje em dia somos grandes amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *