Nova Idade Média (crônica de Ronaldo Rodrigues)

 
Na canção Outros Românticos, de Caetano Veloso, há uma frase que sempre me chamou atenção: “outra Idade Média situada no futuro”. Isso me vem à cabeça quando leio/vejo/ouço notícias como a que tem Emerson como alvo. Esse jogador do glorioso Corinthians foi fotografado (flagrado, como dizem as revistas e blogs de fofoca) trocando um beijo com um amigo.
 
Esse fato deixou a torcida furiosa. Quando o mesmo jogador foi visto (flagrado) lendo um livro, a torcida chiou de novo. Para os torcedores mais fanáticos, ler um livro (ou ler qualquer coisa) é inadmissível para quem defende as cores do Timão, ou qualquer outro time.

Esses dois “flagras” ilustram bem a vigilância (e a cobrança) exercida sobre a vida das pessoas. Me lembram a Inquisição. Outros fatos se acumulam e confirmam a instalação de um Big Brother a esmiuçar, expor e interferir nas nossas vidas, como o fuçar dos Estados Unidos nas redes sociais, celulares e outros meios de comunicação. Uma manobra com a chancela do Obama, o mesmo que surgiu no cenário político mundial como um cavaleiro da esperança, de visão aberta, arejada, que iria sacudir a poeira do trono da Casa Branca. 

A Inquisição desta nova Idade Média situada no futuro (ou seja, aqui e agora) decreta que um homem não pode beijar outro homem (nem que os dois sejam pai e filho). Tudo bem que homens troquem xingamentos e socos, mas beijos ou qualquer outra demonstração de afeto, nem pensar. Eles serão banidos da sociedade, na melhor das hipóteses, ou queimados em praça pública.
 
A saudável filosofia do “cuide da sua vida que eu cuido da minha” deve cair em desuso. Todo mundo vai vigiar todo mundo, controlar as saídas e chegadas e fiscalizar quem frequenta a cama do vizinho. Afinal, quem padece de falta de assunto precisa desse tipo de remédio.

Quanto aos livros, é melhor destruí-los. Vai que uma criança desta nova Idade Média se interesse por eles e tenha sua cabeça entortada pela imaginação desvairada de autores devassos.
 

Ideias tacanhas, obscurantistas deveriam estar com data de validade vencida, neste início de terceiro milênio. Mas não é o que vemos no dia a dia. Todos os valores, ideologias e pensamentos tortos que um dia levaram a humanidade à guerra, estão presentes hoje, mais vivos do que nunca. Basta ligar a televisão, entrar na internet ou mesmo olhar para o lado. É intolerância, racismo, xenofobia, desrespeito à diferença, invasão de privacidade, todo tipo de preconceito. 
 
A Idade Média está instalada, senhores. Com aparelhos e equipamentos mais sofisticados e eficazes que a Idade Média propriamente dita. Os inquisidores estão à porta, espiando pelo olho mágico e pelas câmeras de vídeo ultramodernas, que podem captar imagens através das paredes e até monitorar os nossos sonhos.
 
Tudo isso me faz lembrar também o livro 1984, de George Orwell, e lamentar que a história contada nele corra o risco de não ser mera ficção.
 
Ronaldo Rodrigues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *