O Amapá fica no Brasil – Por Dulcivânia Freitas – @DulcivaniaF

Por Dulcivânia Freitas

Depois de quatro noites e três dias sem energia elétrica, internet, telefonia e abastecimento precário de água, amanhecemos o último sábado com o retorno destes itens no meu bairro. Naquele momento, os informes do Governo do Estado já sinalizavam que teríamos racionamento pela frente. A primeira providência foi acalmar os familiares e amigos de fora do Amapá.

Meu marido e eu dormimos em média três horas a cada noite, felizmente nosso filho de nove anos dorme tranquilo mesmo sob a alta temperatura e umidade, que são características do clima do Amapá. E essa foi a parte confortante da saga.

O emocional ficou impactado, porque represamos bastante em nome da resiliência e o estresse acumulado começou a se expandir por meio de tremores nas mãos. Embora estejamos em condições boas de moradia e outros itens de uma vida digna e que todos deveriam ter, num estado tão rico e pequeno (portanto, mais fácil para administrar), não tenho os olhos e o coração vendados para a situação estrutural da maioria da população.

O fato é que, não apenas em Macapá, mas nas demais cidades do estado, nas ruas e nos distritos e comunidades do interior aonde chega rede de energia, ainda está configurado o cenário de pré-apocalipse. A interrupção da energia elétrica desencadeou uma crise simultânea e de altos impactos nas comunicações, abastecimento de alimentos, de combustíveis e de água, além de amargos prejuízos nos setores de comércio e serviços em geral.

Ao mesmo tempo surgiram várias redes de solidariedade e apoio, ações emergenciais das autoridades, práticas de doações e muitas manifestações externas e internas, como é comum em situações semelhantes de calamidades em qualquer parte do país. Há grupos de pessoas mais vulneráveis do que outros, com certeza. Inclusive, há bairros e comunidades inteiras que vivem há muitos anos, e na rotina, esse flagelo social de falta de água potável e de fornecimento regular de energia quase que na invisibilidade. É diária e cruel a rotina de falta de acesso a serviços essenciais e básicos por parte da maioria da população. Eu poderia me acomodar com a boa estrutura de vida da minha família, em meio a essa crise energética sem precedentes no Amapá, onde temos a “sorte” de contar com o retorno da energia e de usufruir de outros direitos básicos e elementares que não chegam a milhares de outros moradores o tempo todo – não só agora nesse período de apagão.

Mas optamos por não sermos indiferentes. O jogo do contente pode se tornar patético quando não percebemos a linha tênue da insensibilidade e do individualismo.

O mínimo que temos a obrigação cristã e moral de fazer é informar aos familiares e amigos de fora do Amapá que o restabelecimento da energia não está normalizado, há muito sofrimento em boa parte das residências de todas as classes sociais, e também no interior do Estado. Enfatizar que a falta de energia elétrica num estado onde a temperatura e a umidade são muito elevados, a impossibilidade de ligar um ventilador que seja significa suplício, corpo e cabelo melecados, sensação de colapso mental em adultos, crianças gritando de calor, e outros infortúnios. Vou me abster de expor minha participação nas iniciativas de solidariedade e doações.

Só quero dizer que é comovente ver uma legião de pessoas tão abnegadas em promover, organizar e colaborar, preocupadas de fato com o bem estar básico dos vulneráveis. Existe uma reação de pequenos grupos de moradores, em forma de protestos com interdição de ruas. A panela de pressão explodiu, e eu desejo que seja o começo de uma nova postura de compreensão do quanto são oprimidos em seus direitos a vida inteira, e que esta crise trouxe à tona questões que precisam ser debatidas com profundidade. O compromisso de boa parte dos agentes públicos, privados e de parte da sociedade, com o desenvolvimento socioeconômico do Amapá também está no apagão há décadas.

Muita luz para todos nós, em todos os sentidos!

*Dulcivânia Freitas é paraibana, mas mora no Amapá há décadas. Ela é jornalista e assessora de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *