O final de semana e o paradoxo emocional

VóTeamo

Fim de semana. Muita gente em clima de festa e outros tristonhos, preocupados com eles mesmos ou com pessoas que amam. Gente desfilando, gente bebendo e gente aflita por um leito…

Mais um final de semana com encontros frustrados, amizades desfeitas, fins de namoro, encontros e desencontros pela vida, como disse Vinícius. Um paradoxo de risos e lágrimas.

Um final de semana com sede de coisas novas, muita insatisfação, descrédito e desejo de mudança e pequenas decepções.

Mais um final de semana com crianças se prostituindo, velhos coronéis ainda no poder e bonecos de ventríloquos maquiando a situação.

Mais um final de semana com sonhos engavetados, paixões idiotas e medo!

Um “weekend” com casamentos, separações, mortes e nascimentos. Com loucos impetuosos e covardes acomodados. Com muita alienação e burrice colorida. E, claro, canalhas demais!

Uma sexta, um sábado e um domingo com sexo banalizado, bebedeiras loucas, alegrias, orações e muitas expectativas de melhora. Risos e lágrimas. A noite promete ser silenciosa com barulho dentro da minha cabeça.

Num final de semana, as boates, bares e hospitais lotam. E a gente segura a onda da fragilidade emocional.

Desejos, promessas, arrependimentos, resignação e diversão. Um fim de semana festivo para muitos e dramático para outros, preocupados com um ente querido.

Enquanto você curte ou reclama da vida, tem gente lutando por ela. Tudo isso num final de semana. Depende de que lado da balança você está. Mas no final de semana também tem muito amor e esperança.

Pense nisso e cuide bem dos seus amores!

Elton Tavares

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*