O jornalismo. Por onde andais?

 


Por Paulo Bemerguy

Parece que, em tempos idos – mas nem tão antigos assim -, jornalistas já foram mais jornalistas quando instigados a participar, como profissionais, de processos eleitorais.

Como assim?

Parece que, em tempos idos – mas nem tão antigos assim -, jornalistas tinham, como diríamos, mais senso crítico, mais crivo para perceber, no mínimo, que pedra é pedra e água e água.

Não estou falando de isenção, mas de senso crítico.

Naqueles tempos idos, os que não resistiam à tentação de dar vazão – sobretudo publicamente – às suas paixões, faziam-no de forma muito mais comedida, deixando sempre uma ponta, uma pontinha que fosse, de dúvida para não cair de cabeça, tronco e membros em discursos de candidatos fanáticos.

Hoje, infelizmente, coleguinhas que se inebriam por aí, nessas redes sociais que atraem maluquices sem fim, repetem conceitos, preconceitos e prejulgamentos que não têm o mínimo amparo em fatos. Simplesmente em fatos.

Resultado: em vez de jornalistas, viraram militantes mais apaixonados, mais radicais, mais imoderados e mais assustadoramente preconceituosos do que os candidatos que declaradamente apoiam, muito embora não confessem nominalmente isso com todas as letras.

Uma pena que o jornalismo tenha resvalado para essas paixões, que sempre me apavoram.

Mas ainda há tempo de sermos mais jornalistas.

Eu acho!

Fonte: Espaço Aberto


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *