O males do meu bem – Por @Cortezolli

Hellen Cortezolli

Dizem que há males que vem para o bem… Não especificaram de quem exatamente, mas usamos a rapa do tacho de positividade e, acreditamos ser para nós.

Ah, os nós, esses que apertam sem dó, nem piedade…

Voltando aos males… Você por um segundo, sou eu, daí a gente finge juntos, mente juntos… Desativei uma parte do meu cérebro, porque já estava feio errar tanto. O córtex frontal eles disseram, o culpado (sim culpado, porque se fosse responsável, não me decepcionaria tanto) pelo planejamento de comportamentos e pensamentos complexos, expressão da personalidade, da conduta social, antissocial, no meu caso.

Os objetivos mais íntimos é esse cara quem governa. E, é claro, como um maquiavélico articulista se associou a outro cara chamado prosencéfalo, este último por sua vez, manja dos paranauês do amor e sexo, divide o poder com ínsula, figura de duas partes, duas caras, vá saber?! Mas, você pode enganá-los com chocolate, te faz pagar menos de trouxa…

A questão é que você até acostuma viver só. Completamente exilado na ilha de suas próprias emoções. O primeiro ano é meio caótico, não vou lhe enganar. O segundo gera uma paz, então todo mundo vira uma plantação de chuchu. O terceiro você se acha o maioral, completo e soberano no seu autocontrole, turbinado de expectativas inatingíveis. Eis a derrocada, o salto da fé… ou da morte, nunca se sabe o que haverá lá embaixo, aonde a visão não alcança… Pode existir um mar de lágrimas da vergonha.

Você acreditou que nunca mais fosse se apaixonar e outra vez virou piada pra alguém.

Mas, há males que vem, ou mentem que compraram passagem…

Hey? Me faça uma lobotomia!

Hellen Cortezolli

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *