Orientadora de jovens cientistas do México visita laboratórios da Embrapa Amapá

A professora e pesquisadora Margarita Leyva Sánchez, orientadora acadêmica de jovens aspirantes à carreira científica na Universidade TecMilenio, localizada no estado de Sinaloa – no México, fez uma visita técnica aos laboratórios de pesquisas de proteção de plantas da Embrapa Amapá, com o objetivo de verificar a estrutura, instrumentos e resultados de estudos desenvolvidos nesta linha de pesquisa. Acompanhada de diretoras do Instituto Leva Ciência, sediado em Macapá, a professora que atua em pesquisas com foco em microbiologia, foi recebida pelo chefe-geral interino da Embrapa Amapá, Nagib Melém; pela chefe de Pesquisa e Desenvolvimento, Jamile Araújo, e equipe de pesquisadores e técnicos dos laboratórios. Os setores visitados foram salas de criação de moscas-das-frutas e de parasitoides agentes de controle biológico, e os laboratórios de entomologia e fitopatologia.

A agenda da professora no Amapá faz parte da sua participação na 6ª Feira de Ciências e Engenharia do Estado do Amapá (Faceap), realizada de quarta-feira, 19/9, até esta sexta-feira, 21/9, no Sebrae, em Macapá. De acordo com a diretora do Instituto Leva Ciência, Danielle Brito, Margarita Sánchez demonstrou interesse em conhecer in loco a Embrapa Amapá, devido as referências de instituição apoiadora de carreira científica de jovens, a exemplo da estudante e jovem cientista Aira Beatriz Cardoso de Souza que desenvolveu os vasos ecológicos analisados no laboratório da Embrapa Amapá, afim de identificar o grau de nutrientes. “Ela nos deu todo apoio logístico quando estivemos na Copa Science do México, e está pela segunda vez participando de evento científico voltado para jovens estudantes”, acrescentou Danielle Brito.

Margarita Levya Sánchez atua com uma metodologia que consiste em identificar o potencial de cientistas em crianças e jovens estudantes. Ela defende que o melhor método de aprendizagem é baseado em projetos relacionados ao cotidiano dos alunos, assegurando aprendizagem integral reunindo conhecimento técnico, habilidades, escola e família. Com formação em química, farmácia e biologia, tem uma biografia marcada pelo acompanhamento de dezenas de crianças e jovens participantes de projetos científicos, muitas delas obtendo premiações em eventos deste segmento.

Nos laboratórios da Embrapa, a professora visitante conheceu detalhes dos estudos voltados para a erradicação à mosca-da-carambola (Bactrocera carambolae (Diptera: Tephritidae) no Brasil, praga quarentenária com ocorrências nos estados do Amapá e Roraima. Também foram apresentadas tecnologias usadas no controle químico e biológico de moscas-das-frutas, além de experimentos com novos atrativos. Os estudos liderados pela Embrapa Amapá atendem demandas do Programa Nacional de Erradicação da Mosca-da-Carambola (PNEMC), coordenado pelo Ministério da Agricultura com o objetivo de promover pesquisa para segurança biológica e defesa zoofitossanitária da agropecuária e produção florestal brasileira.

Dulcivânia Freitas, Jornalista DRT/PB 1063-96
Núcleo de Comunicação Organizacional
Embrapa Amapá
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Macapá/AP

[email protected]
Telefone: + 55 (96) 3203-0287 / 3203-0200

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *