Orquestra de Bambas de Piratas Estilizados pede respeito às crenças religiosas

Foto: Gilvana Santos

A bateria de Piratas Estilizados, Orquestra de Bambas Luiz Tostes, vai desfilar chamando atenção para a discriminação às práticas religiosas, principalmente em relação aos cultos e manifestações de matriz africana, que são as que sofrem mais preconceito. Os ritmistas vão desfilar representando “Ogã”, que na língua Iorubá, de origem nigero-congolesa, significa a voz do povo nigeriano, aquele que toca nos terreiros para evocar as forçar da natureza, “A Força do Tambor”, que é a denominação da ala.

Os diretores de bateria, Jorge Alberto (Poca) e Jerferson Mendonça, trabalharam incansavelmente para viabilizar as condições necessárias para que o mestre Jeyson Ferro pudesse comandar os 120 integrantes da bateria nos ensaios para preparar uma apresentação impecável durante o desfile Estilizado.

Foto: Márcia do Carmo

Viajando no enredo, a Orquestra de Bambas incorporou às apresentações uma cantiga de culto afro para atrair boas energias para o bom andamento do quesito que estará sendo julgado. É uma cantiga da umbanda pedindo proteção das entidades, das forças da natureza e permissão para usar o espaço deles, que é a rua.

Foto: Aydano Fonseca

“A gente canta e louva a entidade para que nos conduza de forma harmônica e tranquila, com paz, para que nosso trabalho seja realizado com sucesso. É algo especial, a gente canta com significado e tem representatividade quando a gente entoa esse canto, porque o nosso enredo aborda a religiosidade e os segmentos da sociedade historicamente excluídos, e as religiões de matriz africanas estão incluídas nesse processo, é uma reparação que nós fazemos e também uma forma de respeito, pois estamos respeitando a nossa ancestralidade, o povo cigano, ameríndio e o negro, então por tudo isso, a gente pede que eles nos conduzam para um resultado magnífico e próspero para nossa agremiação”, ressaltou Jorge Alberto.

Os maestros

Foto: Gilvana Santos

Jorge Alberto é jornalista, filho da cantora Maria Tavares e do cantor Manoel Sobral, com laços familiares com o fundadores da Escola de Samba Maracatu da Favela, optou em ser Estilizado, muito por influência de sua mãe, que foi uma das primeiras mulheres a ser intérprete na mais querida do carnaval tucuju.

Começou e, apesar de ocupar um assento na Diretoria Executiva, continua como ritmista da bateria de Piratas Estilizados, onde desfilou pela primeira vez em 1988, por opção e por paixão em tocar um instrumento na escola do coração e pelo prazer de proporcionar alegria às pessoas. Quem lhe atribuiu a função de diretor de bateria foi o então presidente Estilizado, Dô Sacaca, em 2012, e desde então é o responsável por estabelecer esse elo entre os ritmistas e a diretoria da escola. Uma função que divide com o diretor Jerferson, que também começou como ritmista e hoje, além de dirigente, é mestre de bateria auxiliar na Orquestra de Bambas Luiz Tostes.

Foto: Gilvana Santos

Mestre Jeyson Ferro começou no carnaval em 1988, desfilando com seu pai, então mestre de bateria na Escola de Samba Mocidade Alegre, na cidade de São Paulo-AP, onde permaneceu por dois anos. Em 1990, foi construir sua carreira na Escola de Samba Mocidade Camisa Verde e Branco em 1990, ainda como ritmista, passando para diretor e, em 2009, virou mestre de bateria.

O músico e percussionista trabalhou, ainda, na Escola de Samba Gaviões da Fiel e, no Rio de Janeiro-RJ, na bateria do Salgueiro e da Mocidade Independente de Padre Miguel. Veio para Macapá para comandar a Orquestra de Bambas nos anos de 2014 e 1015, retornando agora, com a retomada dos desfiles das escolas de samba, paralisados há 4 anos.

Foto: Aydano Fonseca

Piratas Estilizados desfila nesta sexta-feira (21), às 2h40 da madrugada de sábado, com o enredo “Xô Preconceito, Queremos Respeito”, fazendo um alerta para que a sociedade possa rever seus conceitos e aceitar as pessoas de acordo com suas escolhas, respeitando suas opções de vida, cantando no refrão “ser diferente é normal”.

(Texto: Gilvana Santos – Comunicação Piratas Estilizados)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *