Pai Presente: programa da Justiça do Amapá realiza o sonho de Paulo César que teve o nome do pai em sua Certidão de Nascimento após 36 anos de espera

Os vínculos familiares são, na maioria, os mais profundos e duradouros na vida de um ser humano – com sua ausência ou perda sendo de difícil reparação. A importância e intensidade do vínculo é ainda mais significante quando é entre os pais e seus filhos, inclusive devido às repercussões na rotina burocrática e documental. Na manhã desta sexta-feira (21), mais uma família saiu feliz com um vínculo oficialmente constituído entre o Técnico de Informática Paulo César, de 36 anos, e seu pai, o Policial Militar Aposentado Rosângelo Duarte. Como presente de aniversário, Paulo realizou seu sonho de colocar o nome de seu pai e de seus avós paternos na Certidão de Nascimento. “Procurei o Programa Pai Presente para finalmente preencher essa lacuna do nome do meu pai em meu registro, apesar de já mantermos uma boa relação já há muito tempo”, explicou.

“Hoje é o dia da concretização de um sonho, carregando seu nome por onde eu for e sou muito grato ao Tribunal de Justiça, e espero divulgar essa iniciativa para ajudar outras pessoas a terem acesso ao mesmo serviço”, concluiu o filho agradecido, que a partir de agora se chamará Paulo César de Souza Duarte.

O Policial Militar aposentado Rosângelo Duarte garantiu que a lacuna também era sentida da parte dele. “Vim aqui reconhecer meu filho primogênito, Paulo César, depois de 36 anos, com todo a disposição para trazer e expressar meu afeto, meu amor e meu carinho, que nunca deixei de ter”, registrou.

“Já devia isso a ele e agradeço muito à Justiça do Amapá e espero que todos na mesma situação venham fazer o que estou fazendo, cumprindo o papel de pai de verdade”, complementou.

Iniciado nesta manhã, o processo todo quanto ao registro de nascimento deve ser concluído em até aproximadamente uma semana, para em seguida serem feitos os encaminhamentos quanto aos demais documentos (RG, CPF etc.).

Euzinete Bentes, supervisora do Programa Pai Presente em Macapá e mediadora que realizou a audiência de conciliação, explica que o programa já beneficiou mais de quatro mil famílias com o reconhecimento voluntário de paternidade. “O Programa é bastante emocional, pois lida com esse desejo do filho de ter suas origens claras nos documentos e isso é tudo muito forte, pois a presença do pai oficialmente em seu registro tem muita relevância na vida da pessoa”, explicou, acrescentando que “o filho precisa do pai em vários aspectos, inclusive nessa presença documental”.

Apesar do apoio financeiro ter sua importância, Euzinete Bentes defende que “mais do que dinheiro, o filho precisa de apoio, orientação e tantas vezes apenas que ele esteja lá, ao seu lado”.

A LONGA ESPERA

Paulo encontrou o pai, Rosângelo, pela primeira vez por volta dos 10 anos de idade, após um verdadeiro trabalho de detetive. “Minha mãe e eu encontramos minha tia, irmã de meu pai, por acaso no ônibus e, tendo visto onde era sua casa, retornei dias depois para conhecer melhor e saber do restante da família”, relatou.

“Depois de saber os endereços fui até Santana, conheci meus irmãos e minha madrasta Adriana, para só então ver meu pai chegar em casa”, contou, “mas tive medo e mal consegui falar na hora”, relatou. “Retomamos a relação ao longo dos anos e fizemos outras tentativas de oficializar, mas não deu certo anteriormente”, disse Paulo César.

Serviço:

Texto: Aloísio Menescal
Assessoria de Comunicação Social do Tribunal de Justiça do Amapá
Central de Atendimento ao Público do TJAP: (96) 3312.3800

  • Avatar

    Tudo tem seu tempo e hoje aconteceu o sonho de um menino q tinha apenas 10 anos, sonho de ser reconhecido, e hoje ser filho de um pai!
    Parabéns, Paulo Duarte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *