PGJ do MP-AP faz visita técnica na Promotoria de Justiça do município de Mazagão e garante apoio à Festa de São Tiago 2022

A procuradora-geral de Justiça do Ministério Público do Amapá (MP-AP), Ivana Cei, reuniu-se, nesta segunda-feira (6), na Promotoria de Justiça de Mazagão, com o promotor de Justiça do município, Marco Valério. Durante o encontro, a PGJ e o titular do MP-AP no município, dialogaram e alinharam serviços no prédio do órgão ministerial. O objetivo foi levantar as necessidades para promoção de melhorias nas condições de trabalho e, consequentemente, de atendimento ao público. As visitas técnicas fazem parte das metas estabelecidas pela administração, contidas no Plano de Gestão para o biênio 2021-2023.

A PGJ vistoriou a estrutura da sede do MP-AP na cidade e observou alguns ajustes no prédio. Ivana Cei também conversou com servidores da unidade sobre necessidades no local. Na oportunidade, o promotor Marco Valério explicou a necessidade de mais um promotor de Justiça em Mazagão, devido a alta demanda de serviços.

Por sua vez, a procuradora-geral informou ao promotor de Justiça que será realizada uma análise no prédio para que seja desenvolvido, pelo setor de engenharia do MP-AP, um projeto de adequação, reforma e ampliação. Ou, caso necessário, a construção de um novo espaço, em um terreno que pertence ao Ministério Público, também no centro da cidade. Participaram da reunião a diretora do Departamento de Apoio Administrativo da instituição, Silvéria Reis, o gerente e servidores da Divisão de Obras do MP-AP, Robson Naif.

Fortalecimento da Identidade Cultural

Na ocasião, a PGJ do MP-AP recebeu, na Promotoria de Justiça de Mazagão, o presidente do Instituto Cultural da Festa de São Tiago, Alexandre de Jesus, acompanhado do Relações Públicas e diretor cultural do evento, Jó Barreto e Rodrigo Branco. A comissão pediu o apoio da procuradora-geral para a valorização e fortalecimento da festividade, realizada todos os anos no mês de julho, em Mazagão Velho, localizado a 31 km de Macapá.

Entre os pedidos, os organizadores da Festa agendaram a visita da imagem de São Tiago e devotos do santo à Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco.

Ivana Cei destacou que fortalecer a memória, tradições e costumes do povo Amapaense é essencial para o desenvolvimento de uma sociedade consciente de sua identidade. Ela enfatizou que o MP-AP sempre abre as portas ao diálogo e às futuras parcerias neste sentido, por entender que a Cultura é responsabilidade social de todos os órgãos e entes.

“Sabemos da importância da Festa de São Tiago, em Mazagão Velho. Pois trata-se de uma grande tradição, manifestação cultural , religiosa e histórica. Portanto, apoiaremos e nosso compromisso institucional com a tradição e memória do povo e fortalecimento da identidade da sociedade amapaense”, comentou Ivana Cei.

A Festa de São Tiago completa 245 anos em 2022. Realizado desde 1777, na Vila de Mazagão Velho, o evento consiste na encenação de um espetáculo de fé, que conta a história do guerreiro Tiago, soldado anônimo que lutou ao lado do povo de Cristo, ajudando a vencer as grandes batalhas contra os Mouros.

Foto da tradicional Festa de São Tiago, enquadrada e na parede da Promotoria de Mazagão.

Mais sobre Mazagão Velho, a cidade que atravessou o oceano

Mazagão foi fundada porque o comerciante Francisco de Mello pretendia continuar com o comércio clandestino de escravos, mas pressionado pelo governador Ataíde Teive, resolveu cooperar, fornecendo índios para os serviços de construção da Fortaleza de São José, na capital do Amapá, Macapá.

Em retribuição, foi anistiado e agraciado com o título de capitão e diretor do povoado de Santana, mas, por conta de uma epidemia de febre, que acometeu os silvícolas, foi transferido para a foz do Rio Manacapuru, e, pelo mesmo motivo em 1769, para a foz do Rio Mutuacá. Em 10 de março de 1769, D. José I, Rei de Portugal (POR), desativou a cidadela de Mazagão, na então colônia do Marrocos (MAR), com 340 famílias sitiadas pelos mouros. Elas foram transferidas para Belém (PA).

Para alojar estes colonos, o governador mandou construir um povoado às margens do Rio Mutuacá. Em 7 de julho de 1770, começaram a ser transferidas 136 famílias para a Nova Mazagão, hoje cidade de Mazagão Velho, como já se denominava o lugar, pois desde o dia 23 de janeiro daquele ano, havia sido elevado à categoria de Vila.

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Núcleo de Imprensa
Gilvana Santos – Coordenação
Texto: Elton Tavares
E-mail: [email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.