Poema de agora: A CENA – Marven Junius Franklin

A CENA

o envelhecido tênis adidas arremessado no porta-malas;
o e-mail de amor que não despachei;
a verdade que calei [não sei por qual motivo];
a estação que não passou…[como passam os ferozes tsunamis];
a canção do the cure que ainda não tocou no rádio;
o vento gélido que ainda não bateu em meu semblante morno;
a sorte que ainda não chegou [e marcamos no sopé da aurora boreal];
o dia que não amanheceu…[talvez aprisionado pela antemanhã].

Marven Junius Franklin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *