Poema de agora: A PAZ DO DIVINO – Marcelo Abreu e Patrícia Andrade

A PAZ DO DIVINO

Eu não quero
a paz genérica
dos laboratórios
clandestinos.

Quero a paz genuína,
construída no cotidiano,
a paz forjada no amor.
A paz duradoura.
A paz do divino.

Marcelo Abreu e Patrícia Andrade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *