Poema de agora: ALGUMAS TROVAS – Ori Fonseca

ALGUMAS TROVAS

Vaguei mil vidas no espaço
Para encontrar o meu bem;
Fui amarrar o cadarço,
Perdi a moça e meu trem.

————————————–

Meu bem pediu-me obra-prima
Trovando o amor pela noite.
Mas como assim? Com que rima?
Com pernoite, afoite, açoite?

————————————–

Tudo morre sem petróleo,
Diz o rico vagabundo.
Mas que será desse óleo,
Se antes morrer todo mundo?

————————————–

A vida depois da morte
É vantagem pra quem crê;
Se existe, legal, que sorte.
Se não, não há o que perder.

Ori Fonseca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *