Poema de agora: Amanhecer – Jorge Herberth

Amanhecer

Sabiá
No canto
Solitária
Visitou
O pranto

Sabiá
Sorriso quente
O café
Esquentou
Com assovios
Assou o pão

Sabiá
Sabida
Tritura grãos
De afeto

Sabiá planta
Do chão ao teto
Solidão
Companhias
Alimentos n’alma

De quem não enxerga
Dentes nos bicos
Liberdade
Entre o céu
O nada
A sabiá
Canta
Pra redescobrir
Proteção
Canto de vida

Jorge Herberth

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *