Poema de agora: Apoteose Quilombola – Ramon Tavares

Apoteose Quilombola

Virei meu próprio Sacopã
Eu sou o refúgio de mim
Terra forte com lagos estreitos
Marés altas me movem da dor
Remanescente de tudo o que vivi

É fácil dizer quem eu sou
Minha paz no Rio Trombetas
Meu alicerce em Erepecuru
Sorte minha ser criado em Cuminã
Amanhã vou até Acapu

Fugido de Macaé
Carregando lembranças do passado escravo
Vi o mundo a sonhar
Sem medo de ser feliz
A comunidade fez minha dor passar

Venha ver meu povo sorrir
Partilhe da minha tradição vivida
Dance da minha cantiga histórica
Faça de minha cultura seu lar
À noite te espero em Oriximiná

Ramon Tavares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *