Poema de agora: ATO DE AMOR – Carlos Nilson Costa

ATO DE AMOR

Não nasci de uma ficção
e nem de um clone metálico
e sim de um ato de amor
com DNA livre que condena o sopro…
das injustiçass
das mazelas
e das injúrias
Nasci com a força do amor
como nasce um capim
e uma orquídea
rasgando o ventre amado
de minha mãe
Quero ser um louco
a perambular por aí,
sem saber prá onde vou,
prá onde fui,
indo sempre por aí
buscando o inatingível
soluçando o amor perdido
e encontrando o amor presente
Que sumam da minha frente
as turbulências da vida
pois as derroto sem pudor
violentando a convenção,
rasgo o espaço como um raio
e mando às favas quem não
viver como nasci
de um puro ato de amor
espero que aprecie.

Carlos Nilson Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *