Poema de agora: BAÚ DAS BUGIGANGAS

BAÚ DAS BUGIGANGAS

Saiu de casa às
Quatro e quinze
Da tarde
Com sandália de dedo
E camiseta do Ypiranga
No ombro.
– Vai sair
Benzinho?
– Nada não
Nêga. Vou só no boteco
Do Abdias comprar cigarro.
O diabo foi encontrar o Joel Elias
Com pianinho Yamaha violão e sede.
-E aí camarada?
Tô de chorinho novo.
Tás a fim de encarar?
Daí a encostar no Abreu
Foi um pulo.
:-Vandinha meu amor
Traz uma cu-de-foca
E uma lata de castanha.
Põe na conta do Pedro Silveira.
A voz do Alcy
Chegou quatro comas
Acima do convencional
:-Afooonso! Me tira deste caaaarro!!!
E tome chopp! E tome caipirinha!
Tome João Gilberto!
O Olivar Cunha pediu o cronômetro
Do Celso Meia-Noite.
Ele queria ver quantas vezes
Por minuto o Jacuraru
(Hexa-Campeão Mundial
De Cuspe à Distância)
Punha a língua pra fora.
E tome chopp! E tome pinga!
E tome João Gilberto!
O certo é que
Já no sábado lá vinham os dois
Sem piano sem violão
Sem equilíbrio e sem vergonha
Escarrando gargalhadas para a lua
Mesmo sabendo que enfrentariam
A fúria de todas as Américas.

Obdias Araújo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *