Poema de agora: Como o vento – Mauro Guilherme

Como o vento

Ser leve como a pena
E, como a pluma,
Não ser pesado a ninguém.
Flutuar ao leve vento,
Ser ar em movimento,
A vida voando vem.
Ser leve como um pássaro

E, como um poema,
Não ser pedra também.
Ser voo suave, plana a pena,
Pena ave, ver a vida do além.

Mauro Guilherme

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *