Poema de agora: Conduzir-se – Fernando Canto

Conduzir-se

Eu enxergo melhor
Quando durmo
Ouço com perfeição
Quando sonho

Conduzo com mãos de asas
Minhas vontades e gestos
Para seguir o destino
(supostamente)
Por mim imposto

Caminho passo a passo
Pelas trilhas que abro e conservo
Pois sou a deidade em meu ser

E el diablo no coração
Da memória
Onde arbitrariamente enxugo
Uma estranha realidade

Fernando Canto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *