Poema de agora: D. JOSEFA. (Cem anos sem Solidão) – Luiz Jorge Ferreira

Tia Zefa – Foto encontrada no blog da Alcinéa.

D. JOSEFA. (Cem anos sem Solidão)

Tia Zefa espreitava Cybelle
para um duelo de letras, e palavras.

Quando o sol trocava de lugar com a noite,
atras do Grêmio Estudantil, e o beiço vermelho da Av Ernestino Borges.
A lua tinta de açai cobria a si mesma com a poeira que subia ainda tonta,
que se fosse orvalho era doce, que se fosse ontem era hoje,
que se para uns era assovio de Matinta, e de outra visagens,
para meus olhos miopes, era dança ao som do Mar-a-baixo.

O que conversavam n’aquela lingua de XI… !
-Nossa mãe! Não conta…! -Vixe Santa.

Coisas talvez que só a tradução mais feliz,
fosse feliz em traduzi-las.

Quando os cães latindo
avisavam, que dia de noite tinha passado.
Cada uma pegava seus momentos,
e entrava em si.
Disto tudo que falo…
passaram-se cem anos.

Luiz Jorge Ferreira

*O poeta Luiz Jorge Ferreira é amapaense, médico que reside em São Paulo e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores (Sobrames).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *