Poema de agora – demolição – sobre a demolição da casa de Caio Fernando Abreu – Júlio Miragaia – @julio_miragaia

demolição – sobre a demolição da casa de Caio Fernando Abreu

em verdade, em verdade
eu te digo
que essas pedras
ao chão
no Menino Deus
nada calam
de tua absoluta presença

não há movimento
fora da roda
mofo
ou chuva além do ponto
que lance
a noite-esquecimento
as borboletas plantadas
nas profundezas
de teus jardins

jardins de algum tipo
de amor
jardins de algum tipo
de fé

não há Terça-feira Gorda
nem cio de sargento Garcia
tampouco céu de Saigon
suficientes para demolir
a estrutura de tua
ressacada, metálica
e grave palavra

permanece
ou nasce
todos os dias
cada transbordo
de você que sentiu a vida
como quem transa
com a dor da esperança
ao som de Ângela Rôrô

Júlio Miragaia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.