Poema de agora: Desalinho – (@ThiagoSoeiro)

Desalinho

Este poema é um protesto
Ao excessivo uso de formalidade
E manuais de instruções
É do direito da palavra e das coisas
Serem livres de fórmulas e regras de etiqueta
Quero a informalidade da lingua
Que tramita entre nossas bocas
O poema meu Sr.
Nasceu do livre desejo de ser vida
Bem ou mal vivida,
Mas vida.

Thiago Soeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *