Poema de agora: DESTROÇOS FLUTUANTES – Luiz Jorge Ferreira

DESTROÇOS FLUTUANTES

Nunca mais farei um pacto de viver com a vida.
Sabe-se lá o que é vida.

Seria sair pisando descalço sobre a grama molhada.
Ou rolar sobre o chão até beijar sua própria sombra sob o Sol.
Eu acredito que seja pular amarelinha de olhos fechados, ouvindo Gardel.


Como não tem ninguém para brincar comigo de esconde-esconde.
Eu apareço para mim mesmo fazendo de contas, que sou feliz.

Luiz Jorge Ferreira

*Do livro de Poemas “Nunca mais vou sair de mim sem levar as Asas” – Rumo Editorial – São Paulo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *