Poema de agora: Emaranhado – Marven Junius Franklin

EMARANHADO

Um tempo fechado
– atitudes embaralhadas
com horas vagarosas
a espelhar tediosos autorretratos

(desaforos em prontidão
– segredos emaranhados com cachimbadas
de ódio e pitadas dadivosas de solidão).

No quarto … um eco
– Maria Aurora resignou:

sapatilha largada;
o livro de Kundera no pé da cama
e o voo acrobático pelo arrebol.

Marven Junius Franklin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *