Poema de agora: EU BORDO… (Fernanda Young)

EU BORDO…

Eu bordo o labirinto quente das minhas veias.
Repito as palavras como mantras, nas voltas que agulha faz.
Por vezes, me furo e não o pano. Gosto de levar este susto.
É a digital de sangue que deixo ali:
minhas lágrimas, cervejas, rompantes.
Se me revelo expondo as fraquezas, confusão, raiva,
não me constrange.
Há muito cansei de
desculpar-me.
Sou essa, e aceito não ser querida,
Se me arrependo de algo,
digo aqui e bordarei:
Foi ter saído de mim,
para deixar alguns entrarem.

Fernanda Young

*Fernanda Young morreu hoje, aos 49 anos de idade.  Sou fã da sensacional escritora de humor ácido, poeta e roteirista de TV. Que ela siga em paz e com a luz que sempre irradiou por aqui.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *