Poema de agora: EXÍLIO – Luiz Jorge Ferreira

EXÍLIO

Estou pronto para ir às estrelas.
Coloquei as meias sujas dos últimos passos.
Limpei com areia as lentes cinzas dos óculos.
E arrumei ideais sobre ideias, e lembranças inúteis.
Entre planos esquecidos emudeci alguns dos meus gritos.
E violentei minhas sombras projetadas na parede da sala.
Com sílabas tônicas retiradas de uma música afônica.
Saída de um rádio sobre a estante.

Estou pronto para ir às estrelas.
Rabisquei com os dedos sujos de dedos.
Rotas estranhas que vão se perder em suas axilas.
Desaparecer em suas costas largas, e embaraçarem-se entre seus cabelos.
E como anônimos Pontos Cardeais, retornarem a mim.
Eu agora, sombra pregada na parede, ando em círculos, tendo contra mim, o Tempo e o Vento.
Ambos velhos e cabisbaixos…surdos a música afônica que sai pela boca do rádio.
E escapa pela fresta da janela.

Estou pronto para ir às estrelas.
Satisfaço-me em lembrá-la como antes.
Lábios abertos, e estilhaços de risos, flutuando até mim.
Eu estou com as mãos ocupadas pelas palavras.
Livrando-as da chuva fina que enfileira pingos.

Escrevo algo como tantos outros algos que escrevi, talvez uma despedida para ninguém, ou um pequeno adeus.
E nunca os completo!

Fica difícil exilar-me nas estrelas.
Há a angustia da espera, que me enche de nódoas .
Umas nuvens vagabundas escondendo a saída.
E um barulho rouco de uma música.
Algo como um choro, que sai da boca do rádio.
No momento maravilhoso em que calo.
As mãos, e a fala.

Luiz Jorge Ferreira

* Poema do Livro Thybum – Editora Expressão & Arte – 2004 – São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *