Poema de agora: Feira-saudade-fevereiro – @juliomiragaia

Ação Olodum no Pelourinho, em Salvador — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Feira-saudade-fevereiro

No olhar marejado
Da chuva-fevereiro,
Esfriam na feira
Frutos e carnes;

Apesar do povo
Há vírus
E apesar do cinza
Há dia;

Resfria-se o domingo
Entre lama e asfalto
Nos corredores de ervas,
Peixes e polpas;

Resfria-se o domingo
Entre lama e asfalto
Na anti-solidão
Da Cícero Marques;

Ação Olodum no Pelourinho, em Salvador — Foto: Reprodução/Redes Sociais

No olhar-fevereiro
Da chuva,
Esfria na lixeira
A fome dos urubus;

Apesar do povo
Há vírus e há dia
E apesar do cinza
Há dia e sobretudo;

Mora,
Nalpam e implacável,
No frescor da saudade
Quem não vai mais à feira

Mora,
Nalpam e implacável,
No frescor da falta
Quem não é Carnaval

Júlio Miragaia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *