Poema de agora: FUGAS – Pat Andrade

FUGAS

às vezes
saio de mim em segredo
e ando a esmo

são fugas estelares
momentos fugazes
em noites infinitas

procuro luas
impossíveis de achar

reviro o pó das estrelas
uso a luz dos cometas
danço com selenitas
e me perco entre os planetas

quando consigo voltar
trago o rastro da lua minguante
e o esplendor da lua cheia

trago promessas esquecidas
trago sonhos distantes
trago mil belezas não vistas

trago auroras douradas
e galáxias inventadas

PAT ANDRADE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *