Poema de agora: Futuro emergencial – @juliomiragaia

Futuro emergencial

O presente pesa
Como água da chuva
Pesa sobre a pétala da flor
Na chuva japonesa

O tempo presente
É matéria prima
Para jardins de angústias
E pesa como se carrega
Um corpo à meia-noite
À beira da estrada

O presente é uma granada
Que escapa às mãos
No momento mais decisivo da guerra,
Entre o medo e a esperança

O presente é ônibus lotado
Falta de dinheiro,
Inflação,
Solidão,
Ressacas e doenças espalhadas
Na sala de qualquer trabalhador

A entidade temporal tropeça
Do alto do edifício
Mais alto de Belém
Sem paraquedas ou salvo-conduto
Que aprenderá como voar

O presente deseja,
Do fundo de suas asas,
Voar em direção à aquarela
Veranil e esfumaçada
De um bondoso pôr do sol

Júlio Miragaia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *