Poema de agora: IMO – Joãozinho Gomes

IMO

Íntimo do estímulo em ti me dei,
intimidei teu íntimo no último ato
de um beijo extinto, (imunizei
teu imo com isto) gozo de Dioniso

ao teu instinto! Absinti-me em ti,
ente abissal, beijei teu corpo à cor
púrpura do recinto à cara do poente.
No bosque lembrei de Afrodite

instigando-me; oh seios em riste!
(diga-me, Quíron: alguém resiste?)
Ardi em ti intimamente em riste
e não resististe – e gozaste – e riste

Joãozinho Gomes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *